Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2015) Salah Abdeslam, em foto divulgada pela polícia

(afp_tickers)

Salah Abdeslam, único sobrevivente dos comandos que atacaram Paris em 13 de novembro de 2015, preso na França, poderá ser "emprestado" à Bélgica para um julgamento previsto para dezembro, como parte de um acordo concluído nesta quinta-feira, indicou à AFP uma fonte próxima ao caso.

A fonte confirmou à AFP que se tratava de um "empréstimo temporário do detido".

A Procuradoria belga evocou, por sua vez, "uma solução jurídica sólida" encontrada entre os dois países, que abre caminho para o comparecimento do acusado em Bruxelas para o seu julgamento por tiros contra policiais.

"As duas Procuradorias encontraram um caminho sólido no plano jurídico, já é um passo importante", declarou à AFP Eric Van Der Sypt, porta-voz da Procuradoria Federal.

Ele ressaltou que esta "solução" ainda precisa ser validada pelos juízes competentes nos dois países. O julgamento de Abdeslam em Bruxelas está previsto para acontecer entre 18 e 22 de dezembro.

Em 15 de março de 2016, o acusado trocou tiros com a polícia em Forest, na aglomeração de Bruxelas, o que precipitou a sua captura dias depois.

O francês de origem marroquina, único sobrevivente dos comandos que atacaram Paris fazendo 130 mortos em 2015, foi preso em Bruxelas em 18 de março, três dias após sua fuga de seu esconderijo em Forest.

O preso será julgado junto com o cúmplice, Sofiane Ayari, por "tentativa de assassinato em um contexto terrorista contra vários policiais".

Por sua vez, a procuradoria de Paris também confirmou que havia sido encontrada uma "solução" para o comparecimento de Abdeslam, preso na região parisiense, e que esta será "apresentada aos juízes competentes".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP