Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, participa de uma coletiva de imprensa na sede do ministério, em Paris, em 28 de julho de 2014.

(afp_tickers)

A França pediu nesta quinta-feira uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU, depois que os jihadistas se apoderaram da maior cidade cristã do Iraque.

"A França está muito preocupada com o crescente avanço do EIIL (Estado Islâmico no Iraque e no Levante) no norte do Iraque, pela conquista de Qaraqosh, a maior cidade cristã do Iraque, e pelos abusos intoleráveis que são cometidos", declarou o ministro das Relações Exteriores francês, Laurent Fabius.

"Diante da gravidade da situação (...) a França pede uma reunião de urgência do Conselho de Segurança, com o objetivo de que a comunidade internacional se mobilize para contrabalançar a ameaça terrorista no Iraque e fornecer ajuda e proteção às populações ameaçadas", acrescentou.

Dezenas de milhares de pessoas fugiam nesta quinta-feira do norte do Iraque, onde os jihadistas do Estado Islâmico (EI, atual nome do EIIL) se apoderaram de Qaraqosh, a maior cidade cristã do país, indicou nesta quinta-feira o clero caldeu, que pede ajuda à comunidade internacional.

"Há 100.000 deslocados cristãos que fugiram, alguns a pé, em direção à região do Curdistão", explicou nesta quinta-feira à AFP o patriarca caldeu, Louis Sako.

"É um desastre humanitário, as igrejas (das cidades que foram tomadas) estão ocupadas e as cruzes foram retiradas", acrescentou.

Os jihadistas tomaram na quinta-feira Qaraqosh, a maior cidade cristã do Iraque, e outras zonas perto de Mossul (norte), segundo testemunhas e representantes religiosos.

AFP