Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma coluna de fumaça se eleva em uma instalação da Arkema em Crosby, Texas, Estados Unidos, em 1 de setembro de 2017

(afp_tickers)

O grupo químico francês Arkema disse neste domingo que vai proceder à destruição voluntária de produtos químicos em sua usina do norte de Houston, Texas, atingida pela tempestade Harvey, antes de que peguem fogo sozinhos.

"Temos provas visuais e evidentes de que os produtos químicos armazenados estão se degradando, mas não alcançaram o nível de inflamabilidade".

"Sem a combustão desses produtos, não podemos determinar se o perigo está completamente descartado", indicou a companhia em um comunicado.

Esses produtos, peróxidos orgânicos, tinham sido armazenados em nove contêineres para protegê-los das águas que inundaram a sede da Arkema em Crosby, perto de Houston, durante a passagem do furacão Harvey.

Mas um corte de eletricidade provocado pelas água impediu a refrigeração adequada desses compostos extremamente inflamáveis, cujas emissões de fumaça são tóxicas.

Um contêiner pegou fogo na quinta-feira e os operadores da usina tinham indicado que era inevitável que a mesma coisa acontecesse com os outros oito.

O incêndio provocou explosões e soltou uma densa fumaça preta, segundo imagens aéreas divulgadas por canais de televisão americanos.

A Arkema disse que a decisão de provocar uma queima controlada foi tomada "em estreita colaboração com as autoridades" e que não representa riscos adicionais para os habitantes.

Um perímetro de segurança em volta da fábrica, situada em uma zona rural, foi estabelecido na quarta-feira, e a população foi evacuada.

Harvey, que atingiu há nove dias a costa do Texas como furacão de categoria quatro, provocou inundações sem precedentes neste estado, que deixaram ao menos 42 mortos e causaram danos no valor de entre 30 bilhões e 100 bilhões de dólares.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP