Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoa tremula bandeira da Colômbia, em Bogotá, em 30 de novembro de 2016

(afp_tickers)

Um funcionário do Escritório das Nações Unidas de Combate às Drogas e ao Crime (ONUDC) foi sequestrado na Colômbia durante uma viagem para promover a substituição de cultivos ilícitos, no momento em que o Conselho de Segurança realiza uma visita ao país.

O presidente Juan Manuel Santos, que implementa com apoio da ONU um acordo de paz com a guerrilha das FARC para superar meio século de conflito, declarou que uma delegação do governo partiu para o local do sequestro do funcionário que está em poder "da dissidência das FARC".

"Espero que volte a estar conosco em muito pouco tempo", afirmou o presidente na televisão após uma reunião com o Conselho de Segurança da ONU durante a qual analisou o estado da aplicação do pacto selado em novembro.

Pouco antes, o governo havia indicado que "rejeita este lamentável fato que atenta contra a substituição voluntária de cultivos ilícitos com as famílias dedicadas ao cultivo de coca em diferentes zonas do país, e contra a integridade do funcionário da ONUDC".

Em uma declaração emitida pouco depois, o Sistema das Nações Unidas na Colômbia rejeitou a retenção do funcionário, que não teve seu nome ou nacionalidade revelados, ocorrida no dia anterior, no departamento de Guaviare (sudeste).

"Estamos trabalhando com as autoridades competentes para a libertação imediata e segura", indicou a ONU no comunicado.

Uma unidade de elite do grupo antissequestro da polícia, liderada pelo general Fernando Murillo, já foi enviada à região para tratar do caso em coordenação com seus colegas das forças militares, indicou à AFP uma fonte policial.

A Colômbia, principal produtora mundial de coca, com 96.000 hectares de plantio, e de cocaína, com 646 toneladas em 2015, segundo a ONU, aposta na implementação do acordo de paz como forma de combater o narcotráfico e promover o desenvolvimento das áreas rurais.

O sequestro ocorreu na quarta-feira, horas antes dos embaixadores do Conselho de Segurança da ONU chegarem na Colômbia para apoiar o processo de paz com os guerrilheiros das FARC.

O Conselho participa do processo com uma missão de supervisão do desarmamento dos rebeldes. A missão receberá ao amanhecer mil armas dos rebeldes.

"É um incidente grave, não foi inocente, há uma intenção por trás desse covarde fato e não mudará a atitude e o interesse do Conselho de Segurança e das Nações Unidas para contribuir com um processo que os colombianos iniciaram", declarou à Blu Radio Elbio Rosselli, embaixador do Uruguai na ONU, cujo país lidera a visita junto com o Reino Unido.

Rafael Pardo, alto conselheiro para o Pós-Conflito, Direitos Humanos e Segurança da Colômbia, considerou "absolutamente inaceitável" o ocorrido e afirmou que espera a libertação do funcionário da ONU "sã e salvo".

"Este funcionário estava ontem (quarta-feira) em uma sessão de socialização do programa nacional de substituição de cultivos (...) com 400 pessoas em Barranquillita, Guaviare. E foi sequestrado depois dessa reunião", explicou a jornalistas.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) assinaram em novembro um pacto com Santos. Em cumprimento ao acordo, os rebeldes preparam o processo para tirar da ilegalidade cerca de 7.000 combatentes.

No pacto de paz, a guerrilha aceitou desvincular-se do negócio das drogas, combustível da conflagração interna desde os anos 1980.

Contudo, dissidentes da guerrilha atuam como um grupo armado organizado que rejeita o acordo de paz e segue envolvido com atividades de narcotráfico.

Sobre a entrega das armas, a missão da ONU indicou em um comunicado nesta quinta-feira que "entregará nos próximos dias ao Governo da Colômbia os certificados da entrega das armas pelos rebeldes, o que permitirá das seguimento ao trâmite que tirará esses integrantes das FARC da ilegalidade".

As FARC estão agrupadas em 26 pontos no país cumprindo o processo de desarmamento, cujo fim está previsto para o final de maio.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP