Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bailarinos durante protesto dos funcionários do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, em 31 de outubro de 2017

(afp_tickers)

"Queremos pão e circo!" - gritavam nesta terça-feira, diante do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, funcionários e artistas da instituição, que estão há meses sem receber salários.

Orquestra, bailarinos e coro ocuparam a frente do teatro, no centro do Rio, para recordar que "sem cultura, saúde, educação e segurança não se faz um país".

Durante o protesto, a orquestra tocou "O Fortuna" de Carl Orff (em "Carmina Burana"), que evoca o mutável destino dos assuntos humanos, "Va Pensiero" do Coro dos Escravos de Verdi, e a canção de Chico Buarque "Apesar de Você".

A última música foi recebida com aplausos e gritos de "Fora Temer!" pelos cerca de 300 participantes na manifestação.

Os artistas pareciam dispostos a dar o melhor de si. A bailarina Deborah Ribeiro interpretou, com tutu e sapatilhas, "A morte do Cisne", com base na coreografia feita por Michel Fokine para Anna Pavlova.

Os funcionários do estado do Rio sofrem com atrasos dos salários em todas as áreas - saúde, educação, segurança e cultura.

No caso do Teatro Municipal - onde trabalham 800 pessoas, incluindo 300 artistas -, a falta de pagamento já dura três meses, incluindo a gratificação de 2016.

A situação é ainda pior para os aposentados. E a equipe do teatro fez um pedido de doações de alimentos não perecíveis e de dinheiro para ajudar os que enfrentam condições mais difíceis.

Em maio houve um protesto semelhante, mas desde então "tudo piorou", assegura o violinista Leo Ortiz, de 62 anos.

Alguns músicos trabalham em outros empregos enquanto tentam assegurar a temporada custeando seus transportes, que no Rio são tanto ou mais caros que na Europa.

"Desde os oito anos estou neste teatro e não recebo desde agosto", conta à AFP a bailarina aposentada Irene Oranzem, de 77 anos.

"A situação é catastrófica. Nós acabamos de cancelar uma temporada do 'Lago dos Cisnes' que estava praticamente toda vendida, esgotada (...), mas não tivemos condições de levar a temporada adiante por falta de pagamento de salário", resume o professor de balé Manoel Francisco.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP