Navigation

Fundação Gates pede cooperação global em vacina para 7 bilhões de pessoas

Cerca de 100 possíveis vacinas contra COVID-19 estão sendo desenvolvidas e testadas por cientistas de todo o mundo afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. abril 2020 - 23:23
(AFP)

A Fundação Bill & Melinda Gates pediu nesta quarta-feira (15) cooperação global para preparar as vacinas COVID-19 para sete bilhões de pessoas, enquanto oferece 150 milhões dólares para o desenvolvimento de terapias e tratamentos para o vírus.

Embora seja provável que demore 18 meses para desenvolver e testar completamente uma vacina segura contra o coronavírus, autoridades e empresas globais precisam começar agora os planos para fabricá-la, disse o executivo-chefe da fundação, Mark Suzman.

"É normal ter, no máximo, centenas de milhões de doses fabricadas", disse Suzman.

"Quando você está lidando com um novo patógeno como a COVID-19, quando identificamos uma vacina bem-sucedida, precisamos de bilhões de doses", acrescentou.

"Existem sete bilhões de pessoas no planeta", lembrou. "Vamos precisar vacinar quase todos. Não há capacidade de fabricação para isso".

Suzman anunciou que a fundação, criada e controlada pelo bilionário fundador da Microsoft Bill Gates e sua esposa Melinda Gates, vai adiciona 150 milhões dólares aos 100 milhões anunciados em fevereiro para ajudar nos esforços internacionais para combater a pandemia de coronavírus.

Grande parte do dinheiro é para apoiar o desenvolvimento de testes de diagnóstico da COVID-19, tratamentos terapêuticos e vacinas, e torná-los disponíveis globalmente, declarou.

Outra parte será para ajudar os países mais pobres do sul da Ásia e da África Subsaariana, que carecem de suprimentos, equipamentos e infraestrutura para combater a nova epidemia.

Mas a fundação tem como foco a preparação para a criação de uma vacina que possa efetivamente impedir a disseminação do coronavírus.

Cerca de 100 possíveis vacinas estão sendo desenvolvidas e testadas por cientistas de todo o mundo, disse Suzman.

Muitas podem dar esperanças em pequenos testes iniciais, destacou, mas a maioria falhará em testes maiores.

Cada vacina finalmente aprovada exigirá seu próprio processo de fabricação e, se as pessoas não começarem a se preparar dentro de meses, muito tempo será perdido, alertou.

"Não haverá retorno ao 'normal' até que haja uma vacina", disse Suzman.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.