Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Membros da Polícia Federal são vistos em Acapulco, no dia 26 de julho de 2016

(afp_tickers)

Autoridades mexicanas recapturaram Luis Reyes Enríquez, conhecido como "Z12", um dos fundadores do cartel de Los Zetas, protagonista da onda de violência que atinge o México, informou o governo nesta sexta-feira.

Reyes Enríquez "é considerado um gerador de violência e responsável pelo tráfico de drogas nos estados de Nuevo León e Tamaulipas", ambos situados no nordeste do país e fronteiriços com o estado americano do Texas, disse em uma mensagem à imprensa o comissário-geral da divisão antidrogas da Polícia Federal, Juan Carlos Silva.

Após oito anos de detenção no presídio de segurança máxima de Puente Grande, Jalisco (ocidente), Reyes Enríquez foi posto em liberdade por ordem de um juiz em abril de 2015.

Em agosto desse ano, outro juiz emitiu uma ordem de prisão que deu origem à captura anunciada nesta sexta-feira, e pela qual Enríquez cumprirá 47 anos de prisão.

Reyes Enríquez foi capturado pela primeira vez em uma festa familiar no estado de Hidalgo (centro). Já esta última detenção foi feita no município de San Pedro Garza García, do estado de Nuevo León (nordeste), afirmou o comissário sem dar mais detalhes.

O cartel de Los Zetas foi criado em 1997, quando 31 membros das forças especiais do exército mexicano desertaram para se transformar em "capangas, guarda-costas e transportadores" do cartel do Golfo, de acordo com a organização Insightcrime, dedicada ao estudo do crime organizado na América.

Ao ser detido e extraditado, o líder desse grupo, Osiel Cárdenas, decidiu fundar seu próprio cartel. A essa organização criminosa atribui-se, entre outros crimes, o massacre de 72 imigrantes da América Central e da América do Sul em San Fernando, Tamaulipas, em 2010.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP