Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A Argentina está em default parcial após o vencimento de um pagamento de juros de sua dívida reestruturada em 2005 e 2010 que havia depositado no Bank of New York, mas que o juiz federal americano Thomas Griesa mantém bloqueado.

(afp_tickers)

Um dos fundos especulativos que ganharam um julgamento contra a Argentina pela dívida soberana em suspenso anunciou nesta quarta-feira o fracasso nas negociações com bancos privados internacionais na busca por uma solução alternativa para o caso.

"Não há perspectiva realista de uma solução particular. Nenhuma das propostas que recebemos foi remotamente aceitável", afirmou o fundo Aurelius em um comunicado, referindo-se às negociações para que os bancos "comprem" dos demandantes os bônus da causa que ganharam da Argentina para o pagamento de 1,33 bilhão de dólares.

"As instituições que faziam tais propostas estavam preparadas para contribuir apenas com uma pequena parte dos pagamentos que nos queriam fazer aceitar", acrescenta o texto.

Nas negociações, iniciadas depois do default parcial da Argentina em 30 de julho, participavam Deutsche Bank, Citigroup, JPMorgan e HSBC, de um lado, e o Elliott Management, ao qual pertence o NML Capital, e o Aurelius de outro.

"É certo", indicaram fontes ligadas às discussões, confirmando que é "totalmente impossível" qualquer progresso para uma solução do caso a partir de uma "terceira parte".

A Argentina está em default parcial após o vencimento de um pagamento de juros de sua dívida reestruturada em 2005 e 2010 que havia depositado no Bank of New York, mas que o juiz federal americano Thomas Griesa mantém bloqueado exigindo que os fundos especulativos também recebam o valor que lhes corresponde por sua sentença.

AFP