Navigation

Furacão Maria matou 2.975 pessoas em Porto Rico, revela estudo

(Arquivo) Memorial em San Juan às vítimas do furacão Maria afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 28. agosto 2018 - 18:05
(AFP)

O furacão Maria matou 2.975 pessoas em Porto Rico de setembro do ano passado até fevereiro de 2018, de acordo com um estudo solicitado pelo governo da ilha e divulgado nesta terça-feira (28), em meio a uma polêmica sobre o verdadeiro balanço do número de mortos.

Os especialistas chegaram a essa conclusão analisando os padrões de mortalidade de Porto Rico entre 2010 e 2017 para "prever a média esperada se o furacão Maria não tivesse acontecido", assinalou o relatório realizado pelo Instituto Milken de Saúde Pública da Universidade George Washington.

"O resultado do nosso estudo epidemiológico sugere que, tragicamente, o furacão Maria levou a um excesso de mortes em toda a ilha", disse o principal pesquisador, Carlos Santos Burgoa, professor de Saúde Mundial na universidade.

A análise pondera as mortes "excedentes" que aconteceram neste território americano entre 20 de setembro, dia que o Maria atravessou a ilha com ventos de 250 km/h, e fevereiro deste ano.

Descobriu que o balanço de mortos é "22% superior ao número de mortos que poderiam ter ocorrido durante esse período sem a tormenta".

O governo havia estabelecido em 64 o número de mortos, cifra que gerava desconfiança entre as testemunhas do desastre. Pouco depois, estudos independentes de meios de comunicação mostraram que a cifra era muito maior, e a Universidade de Harvard publicou em maio, usando outra metodologia, que haviam falecido mais de 4.600 pessoas.

O governo encomendou então ao Instituo Milken da Universidade George Washington a realização de uma análise independente para calar a polêmica e adotar um balanço oficial mais realista.

O governador Ricardo Rosselló falará destas descobertas na capital San Juan às 15h00 locais (16h00 de Brasília).

O debate sobre os números faz parte das críticas recebidas pelo presidente Donald Trump, acusado por políticos locais de ter demorado a conceder a ajuda federal a Porto Rico em comparação com a rapidez que esta havia chegado em Flórida e Texas, atingidos pouco antes pelos furacões Harvey e Irma.

Um mês depois da tormenta, quando a cifra oficial de falecidos era estimada em apenas 16, Trump disse em sua defesa que o desastre não era nada comparado aos 1.833 mortos deixados pelo furacão Katrina na Louisiana em 2005.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.