Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Funcionária da clínica de fertilidade Eugin manipula várias mostras de embriões, óvulos e esperma criogenizados em um tanque de nitrogênio, em Barcelona, no dia 25 de maio de 2016

(afp_tickers)

O centro médico espanhol Instituto Valenciano de Infertilidade (IVI) anunciou nesta quinta-feira sua fusão com o americano RMANJ para formar "o maior grupo de reprodução assistida do mundo".

A nova companhia, IVI-RMA Global, fruto de um ano de negociações, estará presente em 13 países e mais de 70 clínicas, indicou em um comunicado. Seu volume de faturamento rondará os "300 milhões de euros", e a empresa terá cerca de 2.400 funcionários, entre eles mais de 200 médicos e 300 pesquisadores.

O grupo, que pertencerá 70% ao IVI e 30% ao RMANJ, continuará sua expansão nos Estados Unidos, onde já conta com 10 clínicas privadas.

Esta fusão permitirá "compartilhar as melhores práticas e as últimas tecnologias em cada fase dos distintos tratamentos oferecidos", acrescenta o comunicado.

Fundado em 1990, o IVI se define como "um líder em medicina reprodutiva", que já contribuiu para o nascimento de mais de 125.000 bebês.

A empresa propõe técnicas como a inseminação artificial, a fecundação 'in vitro' (FIV), a doação de ovócitos e de esperma ou a microinjeção espermática.

Já o RMANJ, cujas "taxas de sucesso em FIV são as mais altas dos Estados Unidos", estabeleceu uma tecnologia para detectar com maior precisão quais são os embriões saudáveis que levarão a gravidezes bem-sucedidas.

Este centro de fertilidade afirma ter ajudado mais de 40.000 bebês a nascerem desde 1999.

AFP