Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O governo uruguaio publica a regulamentação para o mercado de maconha para uso medicinal e para pesquisa científica, uma nova fase na implementação da lei que legalizou a droga

(afp_tickers)

A Geórgia legalizou o uso medicinal da maconha nesta quinta-feira, após a promulgação de uma lei pelo governador Nathan Deal - tornando-se o vigésimo quarto dos 50 estados americanos a autorizar a prática.

"A espera finalmente terminou para os pacientes que sentem dor", disse Deal em um pronunciamento feito após assinar a lei aprovada pelo Congresso da Geórgia (sudeste dos Estados Unidos) no final de março.

A legislação descrimina o porte de maconha em óleo de baixo teor da substância que altera o sistema nervoso central, o tetraidrocanabinol (THC), para tratar oito doenças como o câncer, a esclerose múltipla, o Parkinson ou a epilepsia.

O governador disse esperar a volta de 17 famílias para a Geórgia. Em um caso notório no ano passado, essas pessoas se mudaram para o Colorado, onde seus filhos doentes poderiam ter acesso à maconha medicinal.

"Podemos agora começar o processo de espera para trazer para casa nossos refugiados médicos", afirmou o deputado republicano Allen Peake, um dos promotores da medida.

A lei foi promulgada poucas semanas após os senadores americanos apresentarem um projeto de lei abrangente para permitir o uso de maconha medicinal em todo o país.

Embora cada vez mais Estados sejam adicionados à lista daqueles que permitem a maconha medicinal (24 mais a capital Washington), a lei federal ainda expõe os consumidores a investigações criminais e detenções por porte da droga.

AFP