Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Complexo de Meribel, nos Alpes franceses, no dia 16 de dezembro de 2016

(afp_tickers)

Afetadas pelas mudanças climáticas, as geleiras dos Alpes franceses registraram uma perda de 25% da sua superfície entre 2003 e 2015, um derretimento "três vezes mais rápido" que nos anos anteriores, segundo um estudo recente.

O estudo, realizado pelo Laboratório de Glaciologia e Geofísica do Meio Ambiente de Grenoble (leste da França), indica que nesse período a perda anual foi, em média, de 2%, em comparação com 0,7% entre 1986 e 2003.

"O aumento do retrocesso é muito claro, sobretudo nas zonas baixas das geleiras", disse o glaciologista Antoine Rabatel, responsável pelo estudo.

As geleiras do maciço de Mont Blanc, o mais alto da Europa, com 4.809 metros, são as que "resistem" melhor a esta erosão, com uma redução da superfície de cerca de 1% por ano entre 2003 e 2015.

O maciço mais afetado é o da Vanoise, com 2,6% de perda anual em média, principalmente porque "poucos cumes ultrapassam 3.800 metros de altitude".

Além de uma maior altitude, o Mont Blanc abriga "zonas de acumulação de neve", onde se forma o gelo, segundo Rabatel.

O estudo foi realizado em colaboração com laboratórios austríacos, italianos e suíços, no âmbito de um programa da Agência Espacial Europeia sobre os Alpes. Suas conclusões globais ainda não foram publicadas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP