Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jared Kushner em 16 de fevereiro de 2017 na Casa Branca

(afp_tickers)

Jared Kushner, genro e próximo ao conselheiro do presidente americano, Donald Trump, faz parte das pessoas investigadas pelo FBI por supostas ingerências russas na eleição presidencial, afirmaram nesta quinta-feira a vários veículos americanos.

Os investigadores do FBI "pensam que Kushner possui informações importantes referidas à sua investigação", informou a rede NBC, que informou que isso não quer dizer que o marido de Ivanka Trump seja suspeito de ter cometido um delito.

De acordo com o jornal Washington Post, o que interessa aos investigadores é "uma série de reuniões" das quais Jared Kushner participou, assim como a natureza de seus contatos com a Rússia.

Kushner, considerado um intermediário central de Donald Trump em matéria de política externa, se reuniu com o embaixador russo nos Estados Unidos, Serguei Kisliak, em dezembro, e com um banqueiro russo.

A investigação do FBI, dirigida agora pelo procurador especial Robert Mueller, deve dar seu aval sobre uma possível "coordenação" entre membros da equipe de campanha de Donald Trump e do governo russo.

No centro da investigação está Michael Flynn, ex-conselheiro de segurança nacional de Trump.

Flynn, acusado de ter recebido pagamentos não declarados de entidades russas, invocou no início desta semana seu direito ao silêncio, negando-se a facilitar documentos sobre seus vínculos com a Rússia.

As suspeitas de envolvimento entre pessoas próximas a Donald Trump com personalidades russas desencadearam uma verdadeira tempestade política em Washington.

Desde o início deste caso, Trump sembre negou qualquer tipo de vínculo com Moscou e classificou a investigação do FBI e as do Congresso de "caça às bruxas".

AFP