Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Glastonbury, no dia 21 de junho de 2017

(afp_tickers)

Os portões do Festival de Glastonbury, que acontecerá na cidade homônima no sudoeste da Inglaterra, foram abertos nesta quarta-feira (21) para o início dos cinco dias do maior evento de música ao ar livre do mundo, que este ano tem como principais atrações as bandas Radiohead, Foo Fighters e o cantor Ed Sheeran.

Cerca de 175 mil pessoas são esperadas na Worthy Farm, que fica nas proximidades de Glastonbury, em Somerset, e está pronta para receber o público sob temperaturas escaldantes e medidas reforçadas de segurança, após o histórico de ataques terroristas ocorridos na Inglaterra.

"Viva! Bem-vindos ao Glastonbury!", grita o criador desse festival, Michael Eavis, enquanto cumprimenta o público que espera do lado de fora das grades de metal.

Os shows serão divididos em sete grandes palcos e começam nesta sexta-feira (23). Animados mochileiros já começam a chegar para conseguir um bom lugar para armar suas barracas e garantir a melhor visão dos shows.

"Teve fiscalização, mas tem tanta gente e está tão quente. As filas estão melhores do que eu achei que estariam", contou Anna Harris, de 25, do sul de Londres, uma das primeiras a conseguir entrar no festival.

Os ingressos custavam 238 libras esterlinas, ou US$ 300, e estão esgotados.

"É como ir para outro país (...). Você entra em uma cidade imensa cheia de tendas, um miniestado cheio delas. As leis britânicas ainda são válidas, mas as regras da sociedade são um pouco diferentes, mais livres. Todo mundo está aqui para viver bons momentos, cada um à sua maneira", diz o porta-voz do festival.

O Glastonbury surgiu em 1970, com acesso quase gratuito, reunindo 1.500 pessoas que desembolsaram o valor simbólico de 1 libra para assistirem ao show do cantor e guitarrista britânico Marc Bolan, com direito a refil de leite ordenhado nessa fazenda por hippies apaixonados por música.

Atualmente, é um dos festivais de música mais prestigiados do mundo, com dezenas de palcos, espaços e áreas de convívio. O local possui uma área de aproximadamente 13,5 quilômetros.

No palco Pyramid Stage, a banda Radiohead abre o festival na sexta-feira, seguida de The XX, Royal Blood e Kris Kristofferson.

No sábado, os americanos do Foo Fighters comandam o festival, seguidos de The National, Katy Perry, Run the Jewels e Craig David.

O último dia terá o aguardado show do cantor Ed Sheeran, que também conta com nomes como Biffy Clyro, Chic e Barry Gibb para o encerramento.

No segundo maior palco, Major Lazer, Alt-J e Boy Better Know comandam o espaço, onde também se apresentam Liam Gallagher (ex-integrante da banda Oasis), Kaiser Chiefs, Emeli Sande e The Courteneers.

Status Quo, Goldfrapp, The Pretenders, The Jacksons, Dizzee Rascal, Alison Moyet e Kiefer Sutherland também constam da lista de atrações.

O ator Johnny Depp apresentará o filme "O libertino" (2004), que será exibido em uma área reservada para filmes no festival.

- 'O poder do xixi'

A Worthy Farm contará com 10 painéis de informação movidos à urina, graças às 40 cabines sanitárias próximas ao Pyramid Stage. A urina é transformada em eletricidade por meio de uma tecnologia desenvolvida pela Universidade West of England. Uma segunda área "geradora de xixi" no festival vai fornecer energia para recarregar celulares, contribuindo também para a iluminação do local.

"O trabalho da polícia será um pouco diferente esse ano", disse Caroline Peters, que é policial.

"Assim como no resto da Inglaterra, os frequentadores dos festivais devem se manter em alerta, mas não preocupados", amenizou Caroline, referindo-se aos recentes ataques ocorridos nos últimos meses em Londres e em Manchester.

A empresa britânica telefônica EE, responsável pelo sinal gratuito de wi-fi durante o festival, espera que o Glastonbury seja o evento mais transmitido ao vivo do ano, com o equivalente a 40 terabytes de dados a serem utilizados.

Em 2018, não haverá festival. A fazenda, local onde acontece o encontro musical e a reunião de várias tribos, precisa de um ano de descanso a cada cinco anos de festival para se recuperar.

AFP