AFP

(Arquivo) Foto tirada em 11 de janeiro de 2005 mostra o logotipo da General Motors em Detroit, Michigan

(afp_tickers)

Depois da Volkswagen e da Fiat Chrysler, a General Motors é a nova envolvida no "dieselgate" por uma ação apresentada nos Estados Unidos contra a maior fabricante de automóveis do mundo, acusada de ter instalado sistemas para ocultar o nível real de emissões de poluentes em alguns de seus veículos a diesel.

A fabricante de autopeças alemã Bosch, já citada em uma denúncia contra a Volkswagen, também é acusada em uma ação coletiva apresentada nesta quinta-feira a um tribunal do Michigan (norte), onde fica a sede da General Motors (GM).

A Bosch é acusada de ter sido "uma participante ativa, que estava ciente da fraude destinada a burlar" as normas americanas sobre emissões.

Os proprietários de mais de 705.000 grandes caminhonetes a diesel Chevrolet Silverado Duramax e GMC Sierra Duramax afirmam que a GM instalou diferentes sistemas fraudulentos nesses veículos entre 2011 e 2016.

AFP

 AFP