Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Toyota arrasó s sus competidores en agosto con su compacto RAV4 del cual se vendieron 43.00 unidades.

(afp_tickers)

A General Motors (GM) e a Toyota aumentaram suas vendas nos Estados Unidos em agosto, mas outras empresas não tê muito o que comemorar, segundo os resultados das companhias divulgados nesta sexta-feira.

Fiat Chrysler e Nissan tiveram quedas em comparação com agosto do ano passado, enquanto Ford e Honda reduziram ainda mais suas vendas.

Após o recorde de vendas de 2016 e a redução dos preços dos combustíveis, os fabricantes de carros lutam para manter o ritmo neste ano.

Várias empresas planejam políticas de vendas agressivas no sul dos Estados Unidos,região afetada pela tempestade Harvey.

A Toyota superou os concorrentes em agosto com seu modelo compacto RAV4, que vendeu 43 mil unidades, disse Michelle Krebs, analista da Autotrader. "Parece que a Toyota levou as vendas da Honda, da Ford e da Nissan", completou.

A GM registrou uma alta de 7,5% ante as vendas de agosto de 2016, com destaque para o seu carro elétrico Chevy Bolt EV. A empresa disse que as vendas foram as maiores registradas em um único mês. As entregas continuam relativamente lentas.

As vendas da Toyota subiram 6,8%, mas, devido aos preços reduzidos da gasolina, 26,4% menos unidades do carro híbrido Prius foram vendidas.

A ítalo-americana Fiat Chrysler sofreu uma retração de 11% das vendas nos Estados Unidos.

Contudo, marcas do grupo como Jeep e Dodge foram bem recebidas no mercado. O Jeep Grand Cherokee teve seu melhor agosto em 17 anos.

A Ford aumentou em 15% as vendas de suas picapes, mas caíram 11,3% as dos SUVs e 8% as de carros.

Em geral, a Ford vendeu 2,1% a menos no mês passado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP