Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O governador Eddie Calvo participa de reunião em Hagatna, capital de Guam

(afp_tickers)

"Às vezes, um soco no nariz é a única forma de deter um valentão", declarou nesta segunda-feira (14) o governador do território americano de Guam, Eddie Calvo, defendendo a retórica belicista do presidente Donald Trump ante a Coreia do Norte.

Enquanto seus críticos acusam Trump de avivar a crise com Pyongyang, Calvo declarou estar grato ao presidente americano pela firme postura adotada em relação à Coreia do Norte, que ameaça lançar mísseis contra esta ilha do Pacífico.

"Quem cresceu no pátio de um colégio, sabe o que é um valentão", disse à AFP.

O dirigente norte-coreano "Kim Jong-un é um valentão que tem armas muito potentes, um valentão que deve ser enfrentado com muita firmeza".

Eddie Calvo, que é republicano como Trump, considera que as críticas feitas ao presidente por sua gestão da crise com Pyongyang são injustas.

O regime norte-coreano ameaçou Guam, um território que abriga duas grandes bases militares dos Estados Unidos com mais de 6.000 homens, ao menos três vezes desde 2013.

Trump respondeu às declarações de Pyongyang sobre um suposto plano para atacar a ilha, prometendo "fogo e fúria" contra o regime comunista e assegurando que as "soluções militares estão prontas" para serem utilizadas contra o país asiático.

"O presidente Trump não é um líder convencional. O que ele diz e como diz é muito diferente do que diziam os presidentes anteriores", admite Calvo.

O governador recorda, no entanto, que outros presidente usaram uma retórica bélica contra a Coreia do Norte, como o antecessor de Trump, Barack Obama, que declarou no ano passado que os Estados Unidos "poderiam destruir a Coreia do Norte com nossos arsenais".

"Um presidente (Obama) disse de determinada maneira, de forma fria e tranquila; o outro fala de fogo e fúria, com um sinal de exclamação, mas se trata da mesma mensagem", enfatizou.

O governador rejeita qualquer paralelo entre os dirigentes norte-coreano e americano.

"Só um deles fez o tio sumir, transformado numa nuvem vermelha, ou um general que dormiu durante uma reunião, e esse é Kim Jong-un. Só um deles matou seu irmão com a ajuda de um dos agentes mais neurotóxicos jamais criados, e este é Kim Jong-un", insistiu.

- Lugar seguro -

Alguns atores regionais, como a China, pediram a Trump que baixe o tom em sua disputa com a Coreia do Norte, mas Calvo pede que sejam feitos mais esforços para conter Pyongyang, porque "ninguém quer uma guerra guerra".

"Não é apenas do interesse dos Estados Unidos e de seus aliados, como também da China e da Rússia, ver como este regime não segue seus esforços em relação à desnuclearização, ou aos mísseis de longo alcance", assegura.

Apesar das ameaças norte-coreanas, o governador de Guam não acredita que a atual crise tenha um impacto na indústria turística da ilha, que atrai mais de 1,5 milhão de visitantes por ano.

"Guam é um lugar seguro para onde viajar. Apesar de tudo que a imprensa diz, não há o menor nível de ameaça para a ilha", concluiu.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP