Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente argentino, Mauricio Macri

(afp_tickers)

O governo argentino se mostrou confiante nesta quinta-feira em que o desenlace do processo contra a presidente Dilma Rousseff consolidará a democracia no Brasil, segundo um comunicado.

"Diante dos incidentes registrados no Brasil, o governo argentino manifesta que respeita o processo institucional que está se desenvolvendo e acredita que o desenlace da situação consolidará a solidez da democracia brasileira", sustentou o texto divulgado pela chancelaria.

O governo de centro-direita de Mauricio Macri disse que "continuará dialogando com as autoridades constituídas com o objetivo de seguir avançando com o processo de integração bilateral e regional".

Dilma foi suspensa de seu cargo por 180 dias nesta quinta-feira por decisão do Senado e será submetida a um julgamento de impeachment por suposta maquiagem das contas públicas.

A presidente será substituída pelo vice-presidente Michel Temer, acusado por ela de lançar um "golpe moderno".

O presidente argentino não fez declarações públicas sobre o processo, que terminou nesta quinta-feira com a suspensão da presidente.

A ex-presidente argentina de centro-esquerda Cristina Kirchner (2007-2015), que manteve uma relação excelente com Dilma enquanto era presidente, também não fez declarações públicas nem através das redes sociais, canal pelo qual costuma se expressar desde que deixou o cargo, em 10 de dezembro.

O Chile, por sua vez se manifestou preocupado pelos acontecimentos dos últimos tempos no Brasil, e classificou de amiga a presidente Dilma Rousseff.

"O Governo do Chile expressa sua preocupação pelos acontecimentos dos últimos tempos nesta nação irmã, que geraram incerteza em nível internacional, considerando a gravitação do Brasil no âmbito regional", disse um comunicado da chancelaria chilena.

O texto afirma que o "Chile seguiu com atenção" os eventos políticos recentes no Brasil, classificando de amiga a presidente Dilma Rousseff, também destacando que com ela "mantivemos excelentes relações".

AFP