Navigation

Governo brasileiro envia tropas federais ao Ceará

O novo ministro da Justiça, Sérgio Moro, é visto em Brasília, em 2 de janeiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. janeiro 2019 - 17:08
(AFP)

O governo brasileiro enviou nesta sexta-feira tropas federais para conter a onda de violência desencadeada por facções criminosas no estado do Ceará (nordeste), na primeira crise de segurança enfrentada pelo governo de extrema direita de Jair Bolsonaro.

A ordem foi assinada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, ante a multiplicação de "ataques contra ônibus, prédios públicos e (...) tentativas de explosão de obras públicas", relacionados "com ações de grupos criminosos".

Moro ordenou o envio de cerca de 300 membros da Força Nacional, por um período de 30 dias, a pedido do governador do Ceará, um estado de 9 milhões de habitantes.

Ataques foram registrados em Fortaleza, na capital, e em várias localidades, principalmente na região metropolitana.

Cerca de 45 pessoas foram presas, de acordo com um relatório oficial divulgado ao meio-dia de sexta-feira.

Relatórios de inteligência publicados pela imprensa atribuem a onda de violência a uma reação contra mudanças no regime prisional e à decisão de acabar com a separação de prisioneiros por facções que controlam os presídios.

Fotos publicadas pela imprensa local mostraram avenidas de Fortaleza vazias em plena luz do dia e pilhas de lixo em cidades onde o serviço de coleta foi suspenso desde os primeiros ataques.

Moro havia desconsiderado na quinta-feira uma primeira ordem para enviar tropas, mas nesta sexta-feira aceitou.

O governador do Ceará, Camilo Santana, pertence ao PT, derrotado nas eleições por Bolsonaro.

O novo presidente declarou nesta sexta-feira que Moro foi "hábil, rápido e eficiente" e assegurou que atendeu "a uma necessidade do povo cearense", sem considerações sobre o fato de que "o governador reeleito é um adversário radical" do governo federal.

Mesmo assim, ele destacou que as autoridades do Ceará não expuseram a "real necessidade da presença da Força [Nacional] devido a sua incapacidade de resolver o problema".

Várias cidades do Ceará já foram alvo de ataques simultâneos em março passado, após a instalação de bloqueadores de sinais celulares nas prisões.

O Brasil tem a terceira maior população carcerária do mundo, com 726.712 presos (dados de 2016), que geralmente vivem em condições miseráveis de superlotação e sob o comando de facções que disputam o controle do tráfico de droga.

Frequentemente são travados sangrentos ajustes de contas entre os bandos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.