Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(26 mai) Especialista remove minas de um campo, na cidade de La Virgen

(afp_tickers)

O governo da Colômbia e a guerrilha das Farc iniciaram um projeto piloto de retirada de minas, um gesto que traz esperança para o processo de paz, que enfrenta seu maior desafio após o recrudescimento das hostilidades.

O primeiro trabalho no campo "teve duração de sete dias" em El Orejón, uma zona rural do departamento (estado) de Antioquia (norte), e contou com a participação dos dois lados em conflito, da agência especializada norueguesa APN e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, anunciou nesta sexta-feira o diplomata cubano Rodolfo Benítez.

Cuba é o país-sede e garantidor das negociações de paz para a Colômbia.

Esta é a primeira iniciativa conjunta anunciada pelas duas partes depois que, na semana passada, se intensificaram as hostilidades na Colômbia, o que levou as Farc a suspenderem uma trégua unilateral em vigor desde dezembro, o que permitiu reduzir os combates e as baixas nos dois lados.

"Foram identificadas quatro áreas perigosas que somam, aproximadamente, 12 mil metros quadrados", onde começará em breve a limpeza das minas instaladas ao longo do conflito armado de meio século, afirmou o diplomata norueguês Dag Nylander, cujo país também é garantidor do processo.

"Foi recolhida informação precisa e útil para a fase seguinte de limpeza e descontaminação" do terreno, acrescentou Nylander, em uma sessão da qual participaram os membros das duas delegações de paz, inclusive a chanceler colombiana María Ángela Holguín, que nesta sexta-feia se integrou aos diálogos de paz em Havana.

Este trabalho de campo foi realizado antes do recrudescimento das hostilidades, há oito dias, que até agora deixou 45 guerrilheiros e quinze militares mortos.

As minas, instaladas durante as décadas de conflito, podem ser encontradas em mais da metade dos municípios colombianos e deixaram, desde 1990, mais de 11 mil vítimas, entre mortos e feridos.

As forças militares deixaram de usar minas desde 1997, quando a Colômbia assinou a Convenção de Ottawa, que proíbe seu uso, mas as guerrilhas e os paramilitares de direita continuaram utilizando-as.

A Colômbia é o segundo país em número de vítimas das minas, depois do Afeganistão, onde também atuou a agência norueguesa APN.

"As Farc entregaram mapas precisos"

O chefe de negociações do governo, Humberto de la Calle, disse que o programa de retirada de minas "já é uma realidade" e destacou que "as Farc, de fato, entregaram mapas precisos da localização das minas e contribuíram ativamente para eliminar as áreas minadas".

"É uma primeira amostra do que se pode alcançar mediante o trabalho coordenado. Pela primeira vez, após mais de 50 anos de conflito, um batalhão do Exército e as Farc, de forma conjunta, celebram ações que favorecem uma população afetada severamente", expressou De la Calle.

O comandante guerrilheiro Pastor Alape qualificou o trabalho conjunto como um "gesto de esperança para a paz da Colômbia" e reiterou a demanda da guerrilha de acordar um cessar-fogo bilateral.

"O país está pedindo este cessar-fogo bilateral. Esta é a saída lógica, inteligente e civilizada", afirmou Alape.

"Temos que recuperar a esperança que o país tem de que seja assinado um acordo sério e duradouro", acrescentou.

Boas-vindas a Holguín

Nesta sexta-feira, a guerrilha deu as boas-vindas à chanceler Holguín e, em um gesto incomum, também estendeu a mão do presidente colombiano Juan Manuel Santos, que iniciou negociações com as Farc em 2012, afirmando que este enfrenta uma "campanha de desprestígio (...) dirigida a debilitá-lo e obrigá-lo a romper o processo de paz".

"Acreditamos que a experiência diplomática da chanceler Holguín pode incorporar a dose de tranquilidade necessária. Bem-vinda", disse a guerrilha em uma mensagem de seu comandante supremo, Timoleón Jiménez ("Timochenko"), lido perante a imprensa por seu chefe negociador em Havana, Iván Márquez.

A ministra e o empresário Gonzalo Restrepo se integraram à delegação oficial em um momento crítico do processo de paz, o que levou os garantidores, Noruega e Cuba, a pedir nesta quarta-feira novos esforços para desescalar o conflito.

A União Europeia também fez um pedido similar.

Atualmente acontece em Havana o trigésimo sétimo ciclo de diálogos de paz, dedicado ao sensível tema de reparação das vítimas. Este ciclo deve ser encerrado no domingo, mas as partes falaram de prolongá-lo até a próxima quinta-feira, disse à AFP uma fonte diplomática.

O conflito colombiano, o último que resta na América, deixou 220.000 mortos e seis milhões de deslocados, segundo cifras oficiais.

AFP