Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O líder das Farc, Rodrigo Londoño, conhecido como "Timochenko", durante discurso em Mesetas, em 27 de junho de 2017

(afp_tickers)

O governo da Colômbia negou nesta terça-feira a existência de um plano de uma organização criminosa para assassinar os dirigentes da guerrilha das Farc, em processo de reintegração à vida civil, como denunciaram os líderes rebeldes.

"Não há um plano para assassinar os dirigentes das Farc", disse a jornalistas o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas, na cidade de Ibagué.

O funcionário afirmou que o Estado está garantindo a segurança dos líderes da antiga guerrilha e que em seu processo de reinserção vão "dotar" dos "melhores mecanismos" para preservar sua vida.

O assessor jurídico das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o espanhol Enrique Santiago, denunciou mais cedo o plano de uma organização criminosa, que não mencionou, de oferecer um milhão de dólares por cada líder rebelde assassinado.

"Tivemos conhecimento de uma organização criminosa [...], com recursos, que ofereceu até um milhão de dólares por cada pessoa [...] do Secretariado das Farc que for assassinada", expressou Santiago à Caracol Rádio.

O Secretariado é o órgão máximo diretivo da guerrilha e é presidido por Rodrigo Londoño ("Timochenko"), líder principal das Farc.

O advogado da guerrilha advertiu que desde a assinatura do acordo de paz foram assassinados 16 membros e familiares dos insurgentes.

"É óbvio que isto vem de pessoas que têm a capacidade econômica para oferecer não um milhão de dólares, mas nove, porque os membros do Secretariado são nove, ou seja, até nove milhões de dólares", acrescentou o advogado.

Segundo Santiago, desde 1º de abril começaram não somente ameaças, mas assassinatos de ex-integrantes das Farc.

O advogado denunciou a falta de medidas de segurança por parte das autoridades para evitar as mortes.

"Não me consta que tenham sido tomadas medidas para, pelo menos, se anteciparem a estes crimes que já estão acontecendo", concluiu.

O chefe negociador das Farc, Iván Márquez, assegurou na segunda-feira que os integrantes do Secretariado receberam ameaças de morte, que foram "relatadas às autoridades".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP