Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeiro-ministro espanhol Mariano Rajoy

(afp_tickers)

O governo da Espanha anunciou nesta quinta-feira que continuará com a aplicação do artigo 155, que permite intervir nos assuntos de uma região, ao não ficar satisfeito com a resposta do presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que afirmou que a declaração de independência não foi votada.

"Em consequência, o governo da Espanha continuará com os trâmites previstos no artigo 155 da Constituição para restaurar a legalidade na Catalunha", afirmou o governo em um comunicado, em referência ao texto que permite exercer as competências de uma autonomia caso esta não cumpra as leis.

O governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy não ficou satisfeito com a carta de Puigdemont, que tinha prazo até esta quinta-feira para responder a um requerimento do Executivo central, que o estimulava a desistir de suas ambições independentistas e esclarecer (com um sim ou não) se havia declarado a independência.

"Se o governo do Estado persistir em impedir o diálogo e continuar com a repressão, o Parlamento da Catalunha poderá proceder, se considerar oportuno, a votar a declaração formal de independência que não votou em 10 de outubro", escreveu o presidente catalão.

O governo espanhol convocou um conselho de ministros extraordinário para sábado que "aprovará as medidas que serão levadas ao Senado", responsável por validar a aplicação do artigo 155, indicou o comunicado.

"O governo usará todos os meios a seu alcance para restaurar o quanto antes a legalidade e a ordem constitucional, recuperar a convivência pacífica entre cidadãos e frear a deterioração econômica provocadas pelo desafio independentista", completa o texto.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP