Navigation

Governo de oposição sírio dissolve conselho militar por corrupção

Membro do Exército Sírio Livre dispara contra forças do governo em 18 de novembro de 2013, em Aleppo. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. junho 2014 - 12:53
(AFP)

O governo da oposição síria no exílio dissolveu o conselho superior militar do Exército Sírio Livre (ASL), uma instância da rebelião moderada acusada de corrupção, segundo comunicado difundido nesta sexta-feira.

A decisão foi tomada na noite de quinta-feira, no mesmo dia em que a Casa Branca anunciou que o presidente Barack Obama pediu ao Congresso que autorize um orçamento de 500 milhões de dólares para "treinar e equipar" a oposição moderada armada que luta contra o regime de Bashar al Assad há três meses.

No terreno, esta oposição está ficando relegada a um segundo plano ante os jihadistas, principalmente os do Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL), que desde o começo de junho realiza uma ofensiva agressiva no vizinho Iraque, depois de ter se apoderado de boa parte do leste da Síria.

"O chefe do governo provisório, Ahmad Tohmé decidiu dissolver o conselho militar superior e levar seus membros ante o comitê de controle financeiro e administrativo do governo para que sejam investigados", segundo comunicado difundido no Facebook do Executivo.

"O chefe do Estado-Maior, general de brigada Abdel Ila al Bashir, também foi destituído", afirma o texto, que pede "às forças revolucionárias efetivas na Síria a formação de um conselho de defesa militar e uma reestruturação total do Estado-Maior antes de um mês".

O ASL está formado por soldados, oficiais e generais desertores aos quais se uniram os civis que pegaram em armas após a brutal repressão do regime em março de 2011 contra um movimento de protestos que pedia reformas.

Mas, pouco a pouco, viram seus ativistas passando para as fileiras dos islamitas radicais e dos jihadistas, muitos deles procedentes do exterior, que estão melhor financiados e armados.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.