Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vista aérea do desmatamento da Amazônia, em 15 de setembro de 2017

(afp_tickers)

O governo federal informou, nesta terça-feira, que o desmatamento na Amazônia diminuiu 16% entre julho de 2016 e agosto deste ano, e defendeu sua política ambiental, após uma recente onda de críticas aos cortes orçamentários.

"O desmatamento, que no ano passado tinha aumentado 19%, este ano caiu 16%. Portanto, todos os indicadores a respeito do desmatamento da Amazônia durante a nossa gestão diminuíram", disse o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, na sede do governo, em Brasília.

Este ano, o Executivo anunciou um corte de 43% no orçamento do Ministério do Meio Ambiente, e nos últimos meses voltou atrás em um polêmico projeto que extinguia a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca), localizada na divisa entre o Sul e Sudoeste do Amapá com o Noroeste do Pará, para autorizar a mineração privada.

Sarney Filho indicou que as versões que circulam de que as unidades de conservação estão diminuindo e o governo está vendendo a Amazônia "não condizem com a realidade".

"Hoje podemos dizer com certeza que não houve nenhum retrocesso ambiental", acrescentou.

Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), subordinado ao Ministério de Ciência e Tecnologia, que faz um mapeamento com satélites do uso da terra e da cobertura vegetal na Amazônia, e confirmam uma tendência que já tinha sido prevista pela ONG Imazon.

A ONG IPAM Amazônia publicou um comunicado pouco depois, afirmando que "não há real motivo para celebração" porque, apesar da queda registrada, o desmatamento continua danificando grandes superfícies todos os anos.

"Adicionamos 6.624 quilômetros quadrados desmatados na Amazônia - somando tudo, é uma Alemanha e um Portugal destruídos", indicou o pesquisador do IPAM Paulo Moutinho.

"Estamos destruindo a floresta em um ritmo mais lento, mas a destruição continua", acrescentou.

Segundo o IPAM, o Brasil desmatou 7.893 km2 na Amazônia em 2016, e outros 6.207 km2 no ano anterior.

"Essa taxa ainda é muito mais alta do que a meta proposta pelo próprio governo, em 2009, de chegar a 3.500 km2 em 2020", concluiu Moutinho.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP