Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

(afp_tickers)

Delegados do governo e da oposição da Venezuela se encontravam nesta quarta-feira na República Dominicana em contatos exploratórios para um diálogo que ajude a resolver a grave crise política.

Convidados pelo presidente dominicano, Danilo Medina, e pelo ex-chefe do governo espanhol José Luis Rodríguez Zapatero os representantes do governo chegaram a um hotel luxuoso de Santo Domingo e asseguraram que as partes estão perto de chegar a um acordo para iniciar conversas.

"Posso dizer que muitos dos pontos que estão na agenda (...) estão perto de ser alcançados", declarou a jornalistas Jorge Rodríguez.

O dirigente chavista estava acompanhado de sua irmã, Delcy Rodríguez, presidente da Assembleia Constituinte, que dirige a Venezuela com poderes absolutos, e o experiente diplomata Roy Chaderton.

No mesmo local estavam Rodríguez Zapatero e o chanceler dominicano, Miguel Vargas, que no fim da tarde saíram do hotel após se reunir com os enviados do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, sem fazer declarações à imprensa.

Rodríguez não detalhou se haverá um encontro pessoal com os delegados da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Entre eles destacam-se Julio Borges - presidente do Parlamento, de maioria opositora -, os deputados Luis Florido e Eudoro González, o dirigente Timoteo Zambrano, o especialista em resolução de conflitos Gustavo Velásquez, e o ex-reitor do poder eleitoral Vicente Díaz, disse à AFP uma fonte da MUD.

A aliança opositora anunciou nesta terça-feira que seus representantes se reunirão com Medina.

- Diálogo com condições -

Após protestos contra Maduro, que deixaram 125 mortos entre abril e julho, as partes aceitaram o convite de Medina e Rodríguez Zapatero a explorar um diálogo.

Mas Borges advertiu nesta quarta que um diálogo formal apenas será possível se Maduro cumprir as exigências apresentadas pelas MUD e se houver acompanhamento internacional.

"Reitero à Venezuela e ao mundo que hoje não há diálogo e não haverá até que sejam cumpridas as condições expressas", tuitou o deputado.

Entre essas solicitações enumerou um "cronograma eleitoral" que inclua as presidenciais no final de 2018, a libertação de 590 "presos políticos", o "respeito" ao Legislativo e a retirada de sanções que impedem opositores de se candidatar a cargos de escolha popular, entre eles o ex-candidato presidencial Henrique Capriles.

Maduro disse esperar que a MUD "cumpra com a sua palavra ante a comunidade internacional de avançar na busca de soluções pacíficas".

O presidente enfrenta uma forte pressão internacional por denúncias de violações dos direitos humanos na contenção das manifestações, e por conta da Constituinte chavista que assumiu as funções do Legislativo.

- "O Vaticano deve estar" -

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, expressou na terça-feira o seu "pleno apoio" à iniciativa, destacando que a Venezuela requer uma "solução política baseada no diálogo".

O deputado opositor Henry Ramos Allup assegurou em Caracas que Guterres quer montar um grupo de países que "garantam a celebração de um diálogo e o cumprimento dos resultados".

Ramos Allup detalhou que a proposta, que assegurou não ter se concretizado, é que cada parte escolha dois países e que Guterres seja o "juiz ou avalista definitivo".

O papa Francisco disse na segunda-feira que a ONU devia "se fazer ser ouvida para ajudar" a resolver a crise venezuelana, destacando a sua preocupação pelo "problema humanitário" derivado da escassez de alimentos e remédios.

"Falei com pessoas, também de forma privada, e muitas vezes durante o Angelus (oração), buscando uma saída, oferecendo ajuda para sair. Parece que a questão é muito difícil", afirmou o papa depois de sua visita à Colômbia.

O Vaticano impulsionou um diálogo no final de 2016, que fracassou em meio a acusações mútuas de incumprimento dos acordos.

- "Explorar condições" -

A MUD enfatizou que a reunião com Medina será para "explorar" condições de negociação, e reiterou que isso passa por atender com urgência a crise socioeconômica, agravada por uma inflação que, segundo o FMI, superará os 720% este ano.

O convite de Medina e Rodríguez Zapatero foi saudado pelos governos de França e Espanha, críticos de Maduro.

Madri desconhece a Constituinte, enquanto o presidente francês, Emmanuel Macron, chamou o seu contraparte venezuelano de "ditador", assim como os Estados Unidos, que impuseram sanções financeiras a Caracas.

"Não é suficiente que o governo venezuelano expresse o seu desejo de manter um diálogo com a oposição", afirmou o ministro espanhol das Relações Exteriores, Alfonso Dastis, após se reunir nesta quarta em Madri com seu homólogo venezuelano, Jorge Arreaza.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP