Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados patrulham as ruas de Villa Purificación, no estado de Jalisco

(afp_tickers)

O emblemático estado mexicano de Jalisco (oeste) permanecia neste sábado assustado com a inédita ofensiva na véspera de um cartel do narcotráfico, que atacou um helicóptero militar, ação que matou três soldados e deixou outros três desaparecidos.

Os militares desaparecidos estão sendo procurados no matagal e em arbustos da região, parcialmente queimados no acidente.

"Talvez se esconderam ou caíram da aeronave ou estão inconscientes ou perderam a vida. Há muita vegetação no local. Nada está descartado", disse à AFP uma fonte do governo que pediu para ter sua identidade preservada.

Questionada sobre a possibilidade de que os soldados tenham sido sequestrados, outra fonte declarou, também sob anonimato: "não quero especular sobre isso. Mantemos a versão de que estão desaparecidos".

O ataque ocorreu na sexta-feira, depois de uma perseguição de um helicóptero militar Cougar a veículos com homens armados na estrada que une as localidades de Casimiro Castillo e Villa Purificación.

Os criminosos abriram fogo e atingiram a cauda da aeronave.

O helicóptero foi obrigado a fazer um pouso de emergência no matagal perto de um morro e nesta manhã era resguardado por 200 militares que impediam aos jornalistas se aproximar dos destroços da aeronave.

Dos 18 tripulantes, três militares morreram, 10 soldados e dois policiais federais ficaram feridos e três militares estão desaparecidos, informou a Comissão Nacional de Segurança.

No total, sete pessoas morreram, incluindo os três soldados e um agente da Promotoria estadual. Outras 19 pessoas ficaram feridas e 19 foram detidas ao longo de toda a sexta-feira. Quatro confrontos foram registrados entre os criminosos e as forças de segurança.

Ao mesmo tempo, homens armados espalharam o terror em 25 municípios de Jalisco, incluindo a capital, Guadalajara, a segunda maior cidade do país, com o bloqueio de ruas e estradas, com vários automóveis incendiados e lojas atacadas.

Os ataques foram uma demonstração de força do cartel em Jalisco, região com 7,3 milhões de habitantes. O governo afirma que a violência foi uma reação dos narcotraficantes ao início da "Operação Jalisco", na qual militares e policiais tentam desarticular o cartel 'Jalisco Nueva Generación', responsável por vários ataques contra as autoridades.

O cartel 'Jalisco Nueva Generación' é um dos mais novos do México. Foi fundado em 2010 e ganhou força enquanto o governo combatia os rivais, como 'Los Caballeros Templarios' ou 'Los Zetas'.

Em outro ato de violência no país, um candidato do governista Partido Revolucionário Institucional (PRI) a uma prefeitura do violento estado de Guerrero (sul) foi assassinado a tiros após um ato de campanha.

O Congressos de Guerrero, estado onde 43 estudantes desapareceram em setembro de 2014, condenou o homicídio do candidato a prefeito do município de Chilapa, Ulises Fabián Quiroz, e exigiu uma investigação e a detenção dos assassinos.

Em 25 de abril, o candidato a governador de Guerrero pelo partido Movimento Cidadão, Luis Walton, também foi morto quando seguia de Chilapa ao município de Zapotitlán por um grupo criminoso.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP