Navigation

Governo português descarta resgate do Banco Espírito Santo

Sede do Banco Espirito Santo, em Lisboa afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 11. julho 2014 - 22:55
(AFP)

Autoridades portuguesas se dedicaram nesta sexta-feira a acalmar os mercados sobre a situação do Banco Espírito Santo (BES), descartando a possibilidade de resgate público da maior entidade privada do país, que voltou a negociar na Bolsa de Lisboa.

Depois de uma sessão de muita volatilidade, em que os lucros e as perdas se sucederam com frequência, o título do banco fechou com perda de 5,5%, em 0,48 euros. A Bolsa de Lisboa fechou com um alta de 0,62%, após a forte queda do dia anterior (-4,18%).

O primeiro ministro Pedro Passos Coelho descartou uma intervenção pública, garantindo que o banco "tem fundos próprios sólidos e dispõe de uma margem confortável para enfrentar qualquer eventualidade, inclusive a mais adversa".

Há três semanas, o BES, maior banco privado do país, afirmou que sua exposição deve-se a problemas financeiros do conglomerado que integra e ao suspense sobre o nome de seu próximo presidente.

Na quinta-feira, esses problemas derrubaram o valor da ação, com perda de 17,24%, a 0,50 euros. O regulador da bolsa, então, decidiu suspender a negociação para permitir que a situação do grupo Espírito Santo fosse esclarecida.

No mesmo dia, o regulador proibiu para a sessão de sexta-feira a venda rápida de ações do BES, estratégia especulativa que consiste em se beneficiar da queda no valor.

A ação do Espírito Santo Financial Group (ESFG), primeiro acionista do BES, manteve-se suspensa.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.