Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem do Comitê Internacional da Cruz Vermelha mostra membros da guerrilha do ELN no departamento de Bolívar, Colômbia

(afp_tickers)

A guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) é "responsável" pelo desaparecimento dos jornalistas Diego D'Pablos, Carlos Melo e Salud Hernández, que tiveram o rastro perdido nos últimos dias na região de Catatumbo, nordeste da Colômbia, declarou o governo nesta quinta-feira.

"Com base na informação de inteligência recolhida até o momento, até algumas horas atrás, confirma-se com certeza que o Exército de Libertação Nacional (ELN) é o encarregado deste desaparecimento dos três profissionais", declarou a jornalistas o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas.

Mais cedo, o governo colombiano tinha pedido ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) que colabore nos trabalhos para localizar os três jornalistas desaparecidos.

"Confirmamos a solicitação que recebemos ontem (quarta-feira) de parte do ministério da Defesa e nossa disposição para participar em qualquer operação humanitária necessária para localizar os jornalistas", disse à AFP Édgar Alfonso, porta-voz do CICV na Colômbia.

O repórter Diego D'Pablos e o cinegrafista Carlos Melo, da rede local RCN, foram supostamente retidos na segunda-feira por agentes armados não identificados no município de El Tarra, quando cobriam a notícia do desaparecimento da jornalista espanhola Salud Hernández, ocorrido no sábado, na mesma região.

O presidente Juan Manuel Santos disse ter informações de que Hernández, colaboradora do jornal espanhol El Mundo e colunista do colombiano El Tiempo, estava com a guerrilha do ELN "por sua própria vontade", realizando um trabalho jornalístico.

O ELN, que tem forte presença nesta região junto com outras guerrilhas e grupos criminosos, anunciou no fim de março o próximo lançamento de uma fase pública de diálogos de paz com o governo, mas este processo foi contido pela negativa da guerrilha a renunciar aos sequestros.

A Colômbia vive um conflito armado de mais de meio século, que envolve guerrilhas, grupos de narcotraficantes e forças do Estado, que soma 260.000 mortos, 45.000 desaparecidos e 6,8 milhões de deslocados.

AFP