Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro

(afp_tickers)

O governo de Nicolás Maduro acusou nesta segunda-feira a oposição venezuelana de impulsionar uma guerra contra seu próprio país, ao apoiar as sanções financeiras dos Estados Unidos e advertir outras nações sobre suas relações com Caracas.

"É uma petição de guerra contra a Venezuela", reagiu o Executivo em um comunicado em que critica a Mesa da Unidade Democrática (MUD, oposição) por apoiar as medidas do presidente Donald Trump.

Para o governo Maduro, "parece impossível de acreditar" que a MUD "se mostre abertamente servil aos interesses estrangeiros e peça uma intervenção militar".

A declaração da aliança opositora se baseia no "ódio" e tem um "corte belicista, antipatriota, antinacionalista e anti-integracionista", acrescentou o texto.

No domingo, em um comunicado, a MUD considerou que "sanções de quem quer que seja a vagabundos, violadores de direitos humanos e saqueadores dos recursos públicos sempre contarão com o nosso apoio, na ausência de uma justiça imparcial na Venezuela".

"Solicitamos a toda a comunidade internacional a advertir a todos os cidadãos e empresas de seus respectivos países que devem se abster de efetuar operações financeiras ou contratos de interesse nacional" com a Venezuela sem a aprovação do Parlamento de maioria opositora, pediu a coalizão.

Na sexta-feira, Trump proibiu por decreto negociar dívidas emitidas pelo governo venezuelano e sua estatal petroleira PDVSA, o que Maduro chamou de uma "brutal agressão".

Foram as primeiras sanções contra o país, após as impostas previamente a Maduro e vários de seus colaboradores.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP