Navigation

Governo venezuelano denuncia plano de Guaidó para "entregar" zona reclamada pela Guiana

Foto de arquivo da vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, em 31 de julho de 2019. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 05. setembro 2019 - 20:31
(AFP)

O governo venezolano denunciou nesta quinta-feira um suposto plano do líder da oposição Juan Guaidó, apoiado pelos Estados Unidos, para "entregar" para empresas multinacionais um território rico em recursos minerais, cuja posse posse Caracas disputa com a Guiana.

"Sabemos que essa organização criminosa, sob a fachada política, pretende fazer que a Venezuela renuncie ao nosso território, renuncie à nossa soberania", disse a vice-presidente Delcy Rodríguez em um discurso no canal estatal VTV.

Essa "organização criminosa" seria chefiada por Guaidó e estaria "a serviço de empresas multinacionais e do governo dos Estados Unidos, que pretendem impor seu projeto imperial", afirmou Rodriguez.

Para respaldar a acusação, a vice-presidente revelou uma mensagem de voz enviada para um "assessor externo" de Guaidó que seria de uma pessoa que identificou como funcionária do governo americano.

Na mensagem, segundo Rodriguez, a suposta funcionária pede "que (Guaidó) mude a posição da Venezuela (...) para entregar o (território disputado) Esequibo (...) à ExxonMobil e outras empresas multinacionais".

Sentada ao lado do ministro da Defesa, Vladimir Padrino, a vice-presidente pediu à Procuradoria "para agir contra os membros desta organização criminosa internacional" e determinar "as responsabilidades e sanções aos envolvidos".

Julio Borges, nomeado por Guaidó como seu "comissário para as relações exteriores", rebateu no Twiter as acusações, indicando que seriam uma "manobra" para "encobrir" que o governo de Nicolás Maduro esconde "narcoterroristas", referindo-se à queixa da Colômbia sobre o suposto refúgio concedido por Caracas aos dissidentes da guerrilha dissolvida das Farc.

O Esequibo é um território rico em minerais e uma zona marítima com recursos petrolíferos cuja soberania a Venezuela reivindica da Guiana, questionando uma sentença arbitral emitida em Paris no final do século XIX que concedeu a área à então colônia britânica.

Caracas, que reivindica um acordo de 1966 assinado com o Reino Unido que estabeleceu uma solução negociada, nunca reconheceu esse limite e o conflito voltou a esquentar em 2015, quando foi descoberto petróleo na região.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.