Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Opositores participam de manifestação, em Caracas, no dia 27 de julho de 2016

(afp_tickers)

O governo venezuelano anunciou nesta segunda-feira que estarão proibidos durante uma semana os voos particulares e os drones (veículo aéreo não-tripulado), em meio aos preparativos para o protesto da oposição na quinta-feira, em Caracas, que reclama um referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro.

O ministro de Transportes, Ricardo Molina, disse em um ato público que a medida foi tomada "para buscar o sossego da população, a paz e a tranquilidade" e relembrou que estará vigente até o dia 5 de setembro.

O anúncio, que implica desde pequenos aviões, até helicópteros e drones, começou a circular nas redes sociais no final de semana e o líder opositor, Henrique Capriles, o rechaçou dizendo que fazia parte das "coisas ridículas" do governo chavista e de seu medo da manifestação de 1 de setembro.

"Eles proibirão (os drones) em 1? Esse governo é uma vergonha! Preocupados com isso enquanto as pessoas passam fome", manifestou Capriles em sua conta no Twitter.

O governo "prefere esconder e evitar o protesto de #1Set antes de resolver os problemas que o motivam. Com drone ou sem drone o mundo verá uma multidão", disse Oliver Blanco, diretor de Comunicações da Assembleia Nacional, de maioria opositora.

Em plena crise econômica e social, a aliança opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) convocou seus seguidores para uma simbólica "Tomada de Caracas" para exigir ao poder eleitoral que anuncie a data de recolhimento das quatro milhões de assinaturas necessárias para ativar a consulta.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP