Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Prédio abandonado em Atenas, no dia 14 de julho de 2017

(afp_tickers)

Em combate permanente à fraude fiscal, a Grécia vai lançar até novembro um novo tipo de sorteio mensal, recompensando com prêmios de mil euros o uso de cartões bancários, indicou nesta segunda-feira (9) o Ministério de Finanças.

O projeto não é de ontem: contemplado há anos na Grécia, um dos países europeus campeões de evasão fiscal, ele era antecipado desde os anos 1900 pelo humorista francês Alphonse Allais, numa crônica chamada "Importante inovação financeira".

Após acordar com os credores do país, a UE e o FMI, o Ministério de Finanças atribuiu um prêmio de 12 milhões de euros por ano à loteria, cujo objetivo é generalizar os pagamentos via cartões magnéticos e reduzir as transações em dinheiro.

Segundo o Ministério grego, diversas fórmulas de "loterias fiscais" já foram aplicadas no exterior, especialmente em Portugal e na Itália.

Na Grécia, a primeira tiragem mensal deve sair no fim de outubro, ou começo de novembro, para dividir 1 milhão de euros entre mil ganhadores. O prêmio não será tributável, mas pode ser apreendido se sair para um pagador ruim, que deve ao Estado.

O antigo projeto de Alphonse Allais previa a participação no sorteio de contribuintes que quitaram seus impostos. Na versão grega, os beneficiários serão consumidores que receberão, a cada compra no cartão, um ou alguns "bilhetes de loteria".

O montante da transação será levado em conta, mas limitadamente, já que a ideia é encorajar o uso sistemático de cartões.

O Ministério das Finanças não estimou o montante de ganho fiscal esperado com essa medida, que se inscreve, segundo ele, numa "batalha de longo prazo e ainda incerta" para levar o país à disciplina fiscal.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP