Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas recebem vacina para febre amarela em Caratinga, Minas Gerais, no dia 13 de janeiro de 2017

(afp_tickers)

Estados, ONGs e empresas farmacêuticas anunciaram nesta quinta-feira em Davos a criação de uma grande coalizão, com um capital inicial de 460 milhões de dólares, para desenvolver vacinas que possam combater rapidamente as epidemias globais.

"Nossa prioridade é desenvolver vacinas para as epidemias que identificamos como ameaças importantes", disse John-Arne Rottingen, secretário-geral da chamada Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (CEPI) em uma coletiva de imprensa em Davos, onde está sendo realizado o Fórum Econômico Mundial (WEF).

A coalizão pretende lutar principalmente contra infecções como a Síndrome respiratória por coronavírus do Oriente Médio (MERS), a febre de Lassa ou o vírus Nipah, "que têm um potencial comprovado para provocar sérias epidemias".

"Mas também temos que estar prontos para o desconhecido", acrescentou Rottingen, que explicou que a coalizão é uma reação à epidemia de ebola na África que matou mais de 11.000 pessoas em 2014.

Até agora, o projeto arrecadou 460 milhões de dólares em promessas de doações da Alemanha, Noruega e Japão, assim como da fundação Melinda & Bill Gates e o Wellcome Trust.

Também participam várias ONGs, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os grupos farmacêuticos GSK, Pfizer e Sanofi.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP