Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestação pró-aborto em 25 de julho de 2013, na cidade de Santiago

(afp_tickers)

Uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira mostra que 71% dos chilenos apoiam a aprovação do aborto terapêutico no Chile em caso de risco à saúde da mãe, má-formação do feto ou estupro.

À pergunta "Você concorda com a descriminalização do aborto em caso de risco à saúde da mãe, estupro ou má-formação do feto?" a grande maioria dos entrevistados mostrou-se favorável, na pesquisa mensal do governo realizada pelo instituto Adimark.

O Chile é um dos poucos países do mundo que não permitem o aborto em hipótese alguma.

A presidente Michelle Bachelet anunciou em maio que deseja reabrir o debate sobre a aprovação do aborto terapêutico, e que espera aprová-lo até o fim do ano.

Até 1989, o aborto terapêutico em caso de má-formação do feto ou risco à saúde da mãe era permitido no Chile, mas, no fim da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), ele foi proibido. O divórcio foi aprovado no Chile em 2004.

O governo pretende promover alguns dos projetos de lei sobre o tema que seguem paralisados no Congresso, que nunca esteve disposto a legislar sobre o assunto.

O estudo foi feito em nível nacional entre 5 e 30 de junho, e ouviu 1.033 homens e mulheres maiores de 18 anos, com margem de erro de três pontos percentuais.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP