AFP

(Arquivo) Sede do grupo Google nos Estados Unidos

(afp_tickers)

Treze grandes empresas, incluindo a gigante do petróleo Shell e a rede de supermercados Walmart, pediram nesta quarta-feira ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que seu país permaneça no Acordo de Paris sobre mudanças climáticas.

O acordo assinado em 2015 por mais de 190 países tenta reduzir as emissões de gases de efeito estufa para combater o aquecimento global.

"Como empresas preocupadas com o bem-estar de nossos clientes, investidores, comunidades e nossos fornecedores, estamos fortalecendo nossa resistência à mudança climática e investindo em (energias) renováveis, em eficiência nuclear, biocombustíveis" e outras tecnologias inovadoras que ajudem a alcançar uma transição à energia limpa, diz a carta, publicada na Internet pelo Center for Climate and Energy Solutions (Centro para Soluções Climáticas e Energéticas).

"Para que essa transição tenha êxito, no entanto, os governos também devem liderar", acrescentou.

"Os interesses das empresas dos Estados Unidos estarão melhor atendidos com um acordo estável e prático que facilite uma resposta global efetiva e balanceada. Acreditamos que o acordo de Paris proporciona isso", diz a mensagem assinada por companhias do petróleo BP e Shell, assim como por empresas de tecnologia como Google, Intel e Microsoft.

Outros signatários são Dupont, General Mills, National Grid, Novartis, Unilever e Walmart.

Durante sua campanha, Trump prometeu cancelar a participação dos Estados Unidos no Acordo de Paris, mas depois disse que "tem a mente aberta" neste assunto.

Antes, a petroleira ExxonMobil pediu aos Estados Unidos que permaneça no acordo.

O ex-diretor-executivo de ExxonMobil, Rex Tillerson, agora secretário de Estado, também se pronunciou a favor da permanência.

Na terça-feira, o secretário americano de Energia, Rick Perry, disse que os Estados Unidos devem permanecer no acordo de Paris e renegociá-lo, em vez de retirar-se do entendimento.

A Casa Branca disse que anunciará sua decisão no mês que vem.

AFP

 AFP