Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mineiros de Escondida, em Antofagasta, em 1º de março de 2017

(afp_tickers)

A greve na mina chilena Escondida, o maior campo de cobre do mundo, completou nesta segunda-feira 26 dias, transformando-se na maior paralisação de sua história, sem que haja até agora perspectivas de acordo.

Responsável por cerca de 5% da produção mundial de cobre, as operações em Escondida está parada desde o dia 9 de fevereiro após o fracasso de uma negociação para renovar o contrato coletivo firmado há quatro anos.

"Hoje completamos os 26 dias (...) mas nós tomamos uma decisão com os trabalhadores de ficar o tempo que for necessário em greve. De fato, estamos avaluando ficar quem sabe mais de 60 dias (paralisados)", disse o diretor e porta-voz do sindicato, Carlos Allendes, após reunir-se em Santiago com autoridades do ministério de Mineração.

Os mineiros pedem à companhia -controlada pela anglo-australiana BHP Billiton- a manutenção dos lucros negociados na última negociação coletiva de 2013 e os tempos de descanso, rejeitando que esses benefícios não sejam extensivos para os novos contratos, como pretende a empresa.

Pedem ainda um bônus de fim de conflito de aproximadamente 40.000 dólares e um aumento salarial de 7%.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP