Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Milhares de catalães contrários à declaração de independência na Catalunha vão às ruas, no dia 29 de outubro de 2017, em Barcelona

(afp_tickers)

Cerca de 150 mil passageiros foram afetados pelos muitos bloqueios ferroviários protagonizados por manifestantes separatistas na Catalunha, em um dia de greve geral que perturbou seriamente o serviço de alta velocidade entre Espanha e França, segundo a empresa ferroviária Renfe.

"Ao todo, houve mais de 20 trens [de alta velocidade] e mais de 10 mil passageiros afetados", explicou uma porta-voz da Renfe, acrescentando que os oito trens diários entre Espanha e França tiveram que ser suspensos.

No total, cerca de 150 mil passageiros tiveram seus trens cancelados ou com importantes atrasos na região, acrescentou.

O serviço habitual de trens foi alterado pela invasão das vias ferroviárias na estação de Girona (60 km ao sul da fronteira francesa) desde a primeira hora da manhã, e na estação de Sants, a principal de Barcelona, à tarde.

A polícia fechou essa estação à tarde, deixando apenas os manifestantes nas vias.

A região do nordeste da Espanha vive nesta quarta-feira uma greve geral com adesão minoritária, mas que provocou graves alterações no tráfego, com dezenas de bloqueios em estradas e vias ferroviárias.

A greve foi convocada por um sindicato minoritário separatista depois de um juiz de Madri decretar a prisão preventiva de oito antigos dirigentes da região, acusados de rebelião, sedição e malversação depois de liderar a região para declarar sua independência da Espanha.

A proclamação de uma efêmera República Catalã em 27 de outubro foi respondida pelo governo espanhol com a destituição do Executivo regional presidido por Carles Puigdemont, atualmente em Bruxelas aguardando uma ordem de extradição para a Espanha.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP