Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Elon Musk, CEO de SpaceX e Tesla, em Washington DC, em 19 de julho de 2017

(afp_tickers)

Cerca de 100 executivos de alto escalão de empresas de robótica ou especializadas em inteligência artificial, entre eles o milionário Elon Musk, escreveram uma carta aberta às Nações Unidas para advertir sobre os perigos das armas autônomas, chamadas de "robôs assassinos".

As "armas ofensivas [destinadas a matar] autônomas [...] provocarão conflitos armados em uma escala jamais vista antes e a velocidades difíceis de conceber pelos humanos", diz essa carta aberta à Convenção sobre Armas das Nações Unidas.

Entre os signatários destacam-se Elon Musk, presidente da Tesla, fabricante de veículos elétricos e parcialmente autônomos, e da companhia espacial SpaceX, e Mustafa Suleyman, da empresa britânica DeepMind, de propriedade da Google e especializada em inteligência artificial.

"Como empresas que aprimoram as tecnologias de inteligência artificial e de robótica, que podem ser desviadas para desenvolver armas autônomas, nos sentimos particularmente responsáveis por dar o sinal de alarme", afirmam na carta.

"Podem ser máquinas aterrorizantes, armas que ditadores e terroristas utilizam contra populações inocentes, e armas pirateadas com fins funestos", acrescentam os firmantes nesta mensagem divulgada pelo Future of Life Institute, organização sem fins lucrativos com sede nos Estados Unidos que se dedica a advertir sobre possíveis estragos das tecnologias.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP