Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais checam a identidade de pessoas após atropelamento causado por van, em Las Ramblas, Barcelona, no dia 17 de agosto de 2017

(afp_tickers)

O grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado que deixou ao menos 13 mortos e mais de cem feridos nesta quinta-feira, em Barcelona, através de um comunicado divulgado por sua agência de propaganda, Amaq, e retransmitido pelo centro americano de vigilância dos sites extremistas, SITE.

Os autores "do ataque de Barcelona eram soldados do Estado Islâmico", diz o comunicado, apontando que "a operação foi realizada em resposta aos pedidos de alvejar os Estados da coalizão" internacional anti-extremista que atua na Síria e no Iraque.

Uma van atropelou uma multidão que caminhava à tarde por Las Ramblas, a avenida mais turística de Barcelona. Além dos treze mortos, outras 50 pessoas ficaram feridas, informou o governo regional catalão.

O uso de veículos em atentados é um modus operandi já adotado em ataques atribuídos ou reivindicados pelo grupo extremista sunita em Nice, Berlim e Londres.

A Polícia anunciou a detenção de dois suspeitos após o ataque.

O EI, que desde 2014 se apossou de grandes partes dos territórios do Iraque e da Síria, sofreu grandes reveses depois de muitos meses.

A organização terrorista perdeu, em julho, o controle de Mossul, grande cidade do norte do Iraque, e está encurralada em Raqa, sua "capital" na Síria. Mas o grupo mantém, no entanto, sua capacidade de lançar atentados fora destes dois países.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP