Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O líder do Boko Haram proclamou um califado em uma cidade do nordeste da Nigéria tomada pelos insurgentes neste mês, em um vídeo ao qual a AFP teve acesso neste domingo.

(afp_tickers)

O líder do Boko Haram proclamou um califado em uma cidade do nordeste da Nigéria tomada pelos insurgentes neste mês, em um vídeo ao qual a AFP teve acesso neste domingo.

"Graças a Alá, que deu a vitória a nossos irmãos em Gwoza e a uniu ao califado islâmico", disse Abubakar Shekau em um vídeo de 52 minutos.

Ele ressaltou que a cidade, no estado de Borno, já "não tem nada a ver com a Nigéria".

"Não vamos deixar a cidade. Viemos para ficar" afirmou Shekau, classificado como "terrorista em escala mundial" pelos Estados Unidos, que oferecem sete milhões de dólares pela sua captura.

O Exército nigeriano afirmou que o anúncio "não tem sentido".

"A soberania e a integridade territorial do Estado nigeriano estão intactas", declarou em um comunicado o porta-voz das Forças Armadas, Chris Olukolade.

Em abril, o Boko Haram avançou sobre várias regiões e controla zonas inteiras no nordeste do país, onde já não há presença do Exército, segundo relatos de moradores, autoridades locais e especialistas.

Shekau declarou seu apoio ao líder do Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, em um vídeo divulgado em julho, quando este se autoproclamou "califa" e "líder dos muçulmanos em todo o mundo".

A organização de Shekau sequestrou mais de 200 estudantes em abril e o paradeiro das jovens ainda é desconhecido.

No vídeo apresentado neste domingo, ele aparece vestido com um uniforme militar e portando um fuzil kalashnikov, diante de três caminhonetes e junto de quatro milicianos.

Um escritório das Nações Unidas na região confirmou que Gwoza estava em poder dos rebeldes no início deste mês.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP