O Parlamento da Venezuela, de maioria opositora, designou nesta quarta-feira um novo conselho diretor da Citgo, filial nos Estados Unidos da petroleira venezuelana PDVSA, anunciou o líder opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por cerca de 50 países.

"A nova direção será composta por venezuelanos capazes, livres de corrupção e sem filiação partidária", anunciou no Twitter Guaidó, líder do Congresso, indicando se tratar de um "anúncio histórico" para iniciar o "resgate" da indústria petroleira.

A direção é composta por Luisa Palacios, Angel Olmeta, Edgar Rincón, Luis Urdaneta, Andrés Padilla e Rick Esser, acrescentou o líder da oposição, sem detalhar o que acontecerá com os atuais executivos da empresa nomeados pelo governo de Nicolás Maduro.

"Com essa decisão, não estamos apenas protegendo nossos ativos, mas também evitamos que a destruição continue e perder a empresa", acrescentou o líder legislativo.

Guaidó afirma que a PDVSA está corroída pela corrupção. Os Estados Unidos, com os quais a Venezuela rompeu relações, reconheceram Guaidó em 23 de janeiro assim que o opositor se autodeclarou presidente interino e congelou contas e bens venezuelanos em 28 de janeiro.

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse que a Citgo poderá continuar suas operações, contanto que seus lucros sejam depositados em uma conta bloqueada nos Estados Unidos.

Em resposta, o presidente socialista anunciou ações legais contra a decisão dos Estados Unidos de impor sanções contra a PDVSA.

Em 1º de fevereiro, o Departamento do Tesouro anunciou que as entidades estrangeiras que negociam com a PDVSA devem parar de usar o sistema financeiro americano até 28 de abril.

A PDVSA exporta para os Estados Unidos cerca de metade de sua produção de petróleo, o que representa 75% de seu fluxo de caixa. O petróleo financia 96% do orçamento do país.

A extração atual é de 1,1 milhão de barris por dia (bpd), seu menor nível em 30 anos, devido à falta de investimentos.

A Citgo, com sede em Houston, tem três refinarias com capacidade para processar 749 mil bpd, segundo dados da empresa.

Fundada em 1910, a subsidiária possui 3.500 funcionários. A empresa opera 48 terminais, possui nove gasodutos e uma rede de mais de 5.000 postos de gasolina associados à marca nos Estados Unidos.

No final de 2017, o governo de Donald Trump proibiu os cidadãos e empresas americanas de negociar novas dívidas com a Venezuela e a PDVSA, enterrando a intenção de Maduro de renegociar a dívida externa de cerca de 150 bilhões de dólares.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.