Navigation

Guaidó convoca marcha contra Maduro em 1º de maio na Venezuela

Opositor Juan Guaidó, autopoclamado presidente interino da Venezuela, em Caracas, em 19 de abril de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. abril 2019 - 17:58
(AFP)

O opositor Juan Guaidó convocou nesta sexta-feira uma mobilização maciça na Venezuela em 1º de maio para exigir o "fim definitivo da usurpação" do presidente Nicolás Maduro.

"Convocamos todo o povo da Venezuela no próximo 1º de maio para a maior marcha da história do país, para exigir o fim definitivo da usurpação", pediu Guaidó, reconhecido presidente interino do país por mais de 50 países, em um evento aberto em Caracas.

O chefe do Parlamento, de maioria opositora, evitou revelar se o destino final da mobilização seria o palácio presidencial de Miraflores, como tinha antecipado, ao anunciar há semanas sua "operação liberdade", um projeto para tirar Maduro do poder.

"O local de destino deste protesto vai ser o lugar da demanda para o fim definitivo da usurpação", insistiu ele diante de uma multidão que gritou "Miraflores! Miraflores!".

Desde que Guaidó se autoproclamou presidente interino em 23 de janeiro, ele pediu a manutenção da pressão contra o governo nas ruas, com concentração de grandes passeatas em todo o país, atingida pela mais séria crise econômica de sua história recente.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.