Navigation

Guaidó quer que Cuba seja parte da solução para crise na Venezuela

Ministro canadense de assuntos estrangeiros, François-Philippe Champagne (D), junto ao líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó (E), em 27 de janeiro em Ottawa, Canadá afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. janeiro 2020 - 21:25
(AFP)

O líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por cerca de cinquenta países, disse nesta segunda-feira (27) que deseja que Cuba seja "parte da solução" para a crise no país petrolífero, depois de uma reunião com o chanceler canadense em Ottawa.

"Não é segredo que Cuba foi parte do apoio não somente ideológico como também em nível de inteligência" do governo do presidente Nicolás Maduro, disse Guaidó durante uma coletiva de imprensa.

"Em relação a Cuba (...) queremos que sejam parte da solução", acrescentou o líder opositor depois de sua reunião com François-Philippe Champagne, chefe da diplomacia canadense.

"Hoje de certa maneira estão apoiando pouco o regime de Maduro, mas com o acompanhamento adequado podemos tornar possível" que se coloquem ao lado da solução, informou.

Na tarde dessa segunda-feira, Guaidó se reunirá com o primeiro-ministro Justin Trudeau.

"Achamos que as gestões do Canadá com os diferentes países, incluindo Cuba, são muito positivas para encontrar uma solução e permitir uma rápida transição" na Venezuela, acrescentou o líder opositor, que há um ano tenta sem sucesso pôr fim ao governo de Maduro.

"Obviamente, vamos ter um intercâmbio com Cuba", disse Champagne.

"Nosso objetivo continua sendo a restauração da democracia e dos direitos humanos na Venezuela por meio de eleições antecipadas, justas e livres com observadores internacionais", afirmou o chanceler canadense, que assegurou que "nas próximas semanas" terá reuniões com representantes de vários países, entre eles Cuba.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.