AFP

Helicóptero da polícia sobrevoa o mausoléu de Khomeini

(afp_tickers)

A Guarda Revolucionária, exército de elite do governo iraniano, acusou nesta quarta-feira os Estados Unidos e a Arábia Saudita de estarem "envolvidos" nos atentados em Teerã que deixaram 12 mortos e ao menos 46 feridos.

"Esta ação terrorista após o encontro do presidente dos Estados Unidos com o chefe de um dos governos reacionários da região, que sempre apoiou os terroristas, é repleta de significado e a reivindicação pelo Daesh (grupo Estado Islâmico) mostra que estão envolvidos", afirma um comunicado publicado pela agência de notícias Isna.

Paralelamente, Mohammad Hossein Nejat, vice-chefe do serviço de Inteligência da Guarda Revolucionária, acusou a Arábia Saudita e os Estados Unidos afirmando que os dois países "ordenaram que suas marionetes" cometessem esses atentados, informou a agência de notícias Fars.

A Guarda Revolucionária afirma que irá se vingar.

"A Guarda Revolucionária sempre provou que jamais deixa de vingar o sangue de inocentes", ressalta o comunicado do exército de elite.

AFP

 AFP