Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 24 de agosto de 2017 mostra Ivan Velásquez na Cidade da Guatemala

(afp_tickers)

O ex-juiz colombiano Iván Velásquez afirmou nesta quinta-feira que permanecerá à frente da missão anticorrupção da ONU na Guatemala (Cicig), após sua frustrada expulsão do país por uma ordem presidencial que causou um terremoto político no país.

"Continuaremos com nossas atividades e funções no cumprimento integral de nosso mandato, como foi realizado até agora", declarou Velásquez em comunicado.

Este é o primeiro pronunciamento público do ex-magistrado colombiano desde que o presidente Jimmy Morales ordenou a sua expulsão no domingo passado, decisão que posteriormente foi anulada pelo órgão máximo de justiça.

O comissionado "ratifica, mais uma vez, o seu compromisso e a sua convicção na luta contra a corrupção e a impunidade na Guatemala", acrescenta o comunicado.

Velásquez agradeceu as manifestações de apoio recebidas nos últimos dias de parte de associações, autoridades indígenas, instituições e organizações nacionais e internacionais por seu trabalho à frente da Cicig.

"A Cicig foi e continuará sendo respeitosa ao estado de direito e ao marco jurídico guatemalteco", acrescenta o texto do comunicado.

A Corte de Constitucionalidade suspendeu na terça-feira a ordem de Morales de expulsar Velásquez.

O governante justificou a sua decisão ao acusar o ex-juiz colombiano de ingerência na justiça e política local, além de extrapolar as suas funções.

A decisão do chefe de Estado desatou um terremoto político e fez com que centenas de guatemaltecos saíssem às ruas para protestar.

Morales tomou esta ação dois dias após o comissionado e a procuradora-geral, Thelma Aldana, pedirem a retirada de sua imunidade presidencial por cometer supostas irregularidades nas finanças de sua campanha à Presidência em 2015.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP