Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Guatemaltecos esperam para votar, em Mixco, Guatemala, no dia 6 de setembro de 2015

(afp_tickers)

O Tribunal Supremo Eleitoral da Guatemala (TSE) anunciou nesta quarta-feira que conta os últimos votos da eleição presidencial de domingo passado, para definir quem enfrentará o comediante Jimmy Morales no segundo turno da eleição presidencial, previsto para outubro.

O magistrado Rudy Pineda, presidente do TSE, disse em entrevista coletiva que não pode prever uma data para definir o vencedor entre a ex-primeira-dama Sandra Torres (19,74%) e o empresário Manuel Baldizon (19,65%), quando faltam apurar 1,08% dos votos.

"Aparentemente há um empate técnico", afirmou Pineda, que prometeu o fim da revisão das atas de 19.582 mesas de votação até a sexta-feira.

Pineda informou que se reuniu com representantes da Unidade Nacional da Esperança (UNE, social democrata), de Torres, e da Liberdade Democrática Renovada (Líder), de Baldizón, para pedir que aguardem os resultados com calma.

As eleições transcorreram em um ambiente de desencanto com a classe política do país, aprofundado pelo escândalo envolvendo uma rede que cobrava propina para sonegar impostos alfandegários revelada em abril pela Comissão da ONU contra a Impunidade (Cicig).

O ex-presidente Otto Pérez renunciou e está detido por sua suposta participação em uma rede de corrupção na alfândega, montada para receber propina em troca da sonegação de impostos.

O futuro presidente, que deverá assumir em 14 de janeiro, terá a difícil tarefa de devolver a esperança à Guatemala, afetada pela pobreza em que vivem 54% de seus 15,8 milhões de habitantes e uma violência gerada pelo narcotráfico e por quadrilhas que contribuem com uma taxa de 39 homicídios por cada 100.000 habitantes.

AFP