Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Guatemaltecos esperam para votar, em Mixco, Guatemala, no dia 6 de setembro de 2015

(afp_tickers)

O Tribunal Supremo Eleitoral da Guatemala (TSE) anunciou nesta quarta-feira que conta os últimos votos da eleição presidencial de domingo passado, para definir quem enfrentará o comediante Jimmy Morales no segundo turno da eleição presidencial, previsto para outubro.

O magistrado Rudy Pineda, presidente do TSE, disse em entrevista coletiva que não pode prever uma data para definir o vencedor entre a ex-primeira-dama Sandra Torres (19,74%) e o empresário Manuel Baldizon (19,65%), quando faltam apurar 1,08% dos votos.

"Aparentemente há um empate técnico", afirmou Pineda, que prometeu o fim da revisão das atas de 19.582 mesas de votação até a sexta-feira.

Pineda informou que se reuniu com representantes da Unidade Nacional da Esperança (UNE, social democrata), de Torres, e da Liberdade Democrática Renovada (Líder), de Baldizón, para pedir que aguardem os resultados com calma.

As eleições transcorreram em um ambiente de desencanto com a classe política do país, aprofundado pelo escândalo envolvendo uma rede que cobrava propina para sonegar impostos alfandegários revelada em abril pela Comissão da ONU contra a Impunidade (Cicig).

O ex-presidente Otto Pérez renunciou e está detido por sua suposta participação em uma rede de corrupção na alfândega, montada para receber propina em troca da sonegação de impostos.

O futuro presidente, que deverá assumir em 14 de janeiro, terá a difícil tarefa de devolver a esperança à Guatemala, afetada pela pobreza em que vivem 54% de seus 15,8 milhões de habitantes e uma violência gerada pelo narcotráfico e por quadrilhas que contribuem com uma taxa de 39 homicídios por cada 100.000 habitantes.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP