Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Criança síria olha apartamentos destruídos em Aïn Tarma, em Ghuta Oriental, em 2 de março de 2018

(afp_tickers)

Mais de 350.000 mortos, ao menos a metade da população deslocada e um país em ruínas: iniciada em março de 2011, a revolta na Síria contra o regime de Bashar al-Assad tornou-se uma guerra devastadora e complexa.

"Esses sete anos de guerra deixam para trás uma tragédia humana de dimensões colossais", lamentou no sábado o alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), Filippo Grandi.

- Vítimas -

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), que dispõe de uma extensa rede de informantes em toda a Síria, diz que "353.935 pessoas morreram desde 15 de março de 2011", incluindo 106.390 civis. Entre estes estão "19.811 crianças e 12.513 mulheres", de acordo com um relatório divulgado na segunda-feira.

Neste país, que tinha cerca de 23 milhões de habitantes antes do conflito, cerca de metade da população foi forçada a fugir de suas casas por causa dos combates.

A ONG francesa Handicap International, preocupada particularmente com os estragos das armas explosivas, informou em 2017 um milhão de feridos.

- Refugiados -

Desde o início do conflito, mais de 5,4 milhões de sírios fugiram para o exterior, a maioria buscando refúgio em países vizinhos, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (dezembro de 2017).

A Turquia hospeda o maior número de sírios registrados pelo ACNUR, mais de 3,3 milhões.

No Líbano, a vida é uma luta diária para quase um milhão de refugiados sírios que vivem sem recursos financeiros, diz o ACNUR.

A Jordânia vem em seguida (657 mil registrados no ACNUR; 1,3 milhão de acordo com as autoridades), Iraque (mais de 246 mil) e Egito (126 mil sírios).

Centenas de milhares de sírios também foram para a Europa, principalmente para a Alemanha.

- Presos, torturados -

Em 2017, a Anistia Internacional acusou o regime de ter enforcado cerca de 13 mil pessoas entre 2011 e 2015 na prisão de Saydnaya, perto de Damasco, denunciando uma "política de extermínio".

Esses enforcamentos se somam às 17.700 pessoas mortas nas prisões do regime que a organização já havia contabilizado, de acordo com ela.

Segundo o OSDH, pelo menos 60 mil pessoas morreram sob tortura ou pelas terríveis condições de detenção nas prisões do regime de Assad.

Meio milhão de pessoas estiveram nas prisões do regime desde o início da guerra, de acordo com o Observatório. Além disso, "vários milhares" morreram nas prisões de grupos rebeldes e jihadistas (OSDH).

- Desprovidos, cercados -

De acordo com especialistas, o conflito fez a economia síria regredir três décadas, uma vez que grande parte das infraestruturas foi destruída.

Segundo autoridades sírias, a produção de petróleo foi reduzida a nada. Se a energia é o setor mais afetado, todas as áreas foram atingidas pelo conflito.

Em julho de 2017, o Banco Mundial (BM) estimou o custo das perdas relacionadas à guerra em US$ 226 bilhões (€ 183 bilhões), o equivalente a quatro vezes o produto interno bruto (PIB) de antes do conflito.

"A guerra na Síria está destruindo o tecido social e econômico do país", declarou seu vice-presidente para o Oriente Médio e Norte da África.

O conflito danificou ou destruiu 27% das habitações e cerca de metade dos centros médicos e educacionais, de acordo com o BM.

Segundo o Departamento de Assuntos Humanitários da ONU (Ocha), "mais de 13 milhões de pessoas precisam de ajuda e proteção, (...) enquanto 69% da população vive em extrema pobreza" (janeiro 2018).

O Acnur indicou que 2,98 milhões de pessoas estão em áreas de difícil acesso e em cidades sitiadas.

Em outubro, a ONU condenou a "privação de alimento deliberada de civis" como uma tática de guerra, após a publicação de imagens "chocantes" de crianças esqueléticas no enclave rebelde de Ghuta Oriental, perto de Damasco.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP