Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As Avós da Praça de Maio completam não baixam a guarda após terem identificado 124 crianças roubadas pela ditadura argentina

(afp_tickers)

As Avós da Praça de Maio completam 40 anos neste domingo (22) e não baixam a guarda após terem identificado 124 crianças roubadas pela ditadura argentina, entre elas Ignacio Montoya Carlotto: "Guido", um dos símbolos de sua luta.

"As avós foram vítimas de uma enorme violência que ocorreu na Argentina (durante a ditadura, em 1976-1983), e saíram em busca de entes desaparecidos de suas famílias. Foi terrível, tão sórdido, prender os militantes - seja lá o que tivessem feito - e dar seus filhos de presente, entregá-los por meio de adoções ilegais. Sem a sua luta, nunca saberíamos da verdade", diz à AFP o 114º neto "recuperado".

Essas mulheres, que atualmente tem 80 anos ou mais, perderam seus filhos e filhas, sequestrados por serem opositores ao regime militar, e bebês - seus netos - que nasceriam meses mais tarde. As Avós estimam que cerca de 400 crianças foram roubadas e adotadas ilegalmente por pessoas próximas ao regime ditatorial.

- "Guido" -

Ele se chamou Ignacio Hurban durante 36 anos, até a Argentina descobrir a existência de "Guido", nome dado a ele por sua mãe antes de morrer na prisão da junta militar.

Esse pianista e amante de jazz, nascido em Olavarría, uma pequena cidade na Pampa Úmida argentina, estampou as primeiras páginas dos jornais no dia 5 de agosto de 2014: a emblemática presidente das Avós, Estela de Carlotto, tinha acabado de encontrar o seu neto.

Nesse dia, Carlotto irradiava felicidade. Ignacio Hurban de repente passou a ser bombardeado com o nome "Guido" e aparecia sorridente e espontâneo em frente às câmeras de TV de todo o mundo. Um conto de fadas em pleno inverno austral.

Em uma entrevista à AFP, confessou que, sem dúvidas, não tem sido tão simples viver essa história.

"Me buscaram durante 36 anos. Para mim e os outros netos recuperados, é diferente. Há menos expectativas. Para quem é buscado, a história começa no dia que o encontram. Aí começa o choque", ressalta.

Também afirma que "houve coisas fantásticas por trás desse encontro", uma vez que construiu uma forte relação com as famílias Montoya e Carlotto.

"Para mim foi como um grande acidente, com um antes e depois. Uma tragédia. Eu tive que repensar toda a minha relação com meus pais adotivos".

O pianista de 39 anos decidiu, no entanto, prosseguir com a sua vida "agradável e tranquila" em Olavarría, com sua esposa Celeste e sua filha Lola, nascida em 2016. Também continua tendo contato com os seus pais adotivos.

- 'Ferida aberta' -

Os 124 netos identificados reagiram de formas diferentes às suas dramáticas histórias. "Muitos se afastaram dos que os criaram, outros continuaram a vê-los, outros militam, outros não", diz o pianista.

Três netos investiram na vida política e se tornaram deputados, e uma neta é candidata.

Ignacio não pensou em mudar de nome. Com um sorriso, porém com postura firme, recusou o que os argentinos lhe sugeriram. "Guido é um personagem, uma construção coletiva", analisa.

"De repente, as pessoas param de te chamar pelo seu nome e começam a chamar por um nome que você nunca tinha registrado. É violento. Ignacio é o nome sobre o qual fiz a construção da minha identidade", conta.

Sua avó, Estella de Carlotto, o chama de "Pacho", o apelido que lhe deram seus amigos. Ele aprendeu a chamá-la de avó.

"O que vai acontecer com essa luta quando não existirem mais as Avós? Suponho que continuará. É difícil imaginar o mundo das Avós sem as Avós, e muitas já faleceram. Muitas faleceram sem conhecer seu neto ou neta", acrescenta.

Porém, "a luta das Avós continuará. Para cada neto há uma ferida que deve ser cicatrizada", conclui.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP