Navigation

Guiné e OMS declaram o fim da segunda epidemia de ebola

Foto de arquivo tirada em 24 de fevereiro de 2021, mostra um funcionário do hospital de N'zerekore arregaçando a manga da camisa enquanto se prepara para ser vacinado contra o Ebola em N'zerekore. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 19. junho 2021 - 14:11
(AFP)

A Guiné e a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciaram oficialmente neste sábado (19) em Nzerekore (sudeste) o fim da segunda epidemia de ebola no país africano, poucos meses após o ressurgimento da doença

Desta vez, o vírus foi derrotado com mais rapidez graças à experiência adquirida em 2013-2016, quando matou milhares de pessoas.

A epidemia começou na área florestal do país e se espalhou para a Libéria e Serra Leoa.

Entre o final de 2013 e 2016, a pior epidemia do mundo desde que o vírus foi identificado em 1976 matou mais de 11.300 pessoas, principalmente na Guiné (2.500 mortos), Libéria e Serra Leoa, três dos países mais pobres do mundo.

A própria OMS admite que este é um número defasado.

Em 2021, a epidemia deixou um total de 16 casos confirmados e sete prováveis. Onze pacientes sobreviveram e 12 morreram, de acordo com um comunicado da OMS divulgado neste sábado. O saldo anterior da organização, na quinta-feira, foi de cinco mortos.

“Tenho a honra de falar neste dia de declaração do fim da doença pelo vírus ebola” na Guiné, disse o chefe da OMS, Alfred Ki-Zerbo, em uma cerimônia em Nzerekore, onde a doença reapareceu em Janeiro.

“Gostaria, em nome do chefe de Estado [presidente Alpha Condé], de declarar o fim do ressurgimento da doença do vírus ebola na República da Guiné”, disse a Ministra da Saúde do país, Rémy Lamah.

A cerimônia reuniu cerca de 200 pessoas, incluindo líderes religiosos, nas instalações do Ministério da Saúde em Nzerekore.

Depois de ter declarado oficialmente estado de epidemia em 14 de fevereiro, e seguindo normas internacionais, a Guiné acrescentou na sexta-feira 42 dias sem novos casos, ou seja, o dobro do tempo máximo de incubação, o limite estabelecido para a declaração de fim da epidemia.

O último caso declarado curado foi em 8 de maio, disse um funcionário do Ministério da Saúde à AFP.

Depois de detectados os primeiros casos em Gouecke, na prefeitura de N'Zereke, "as autoridades sanitárias nacionais rapidamente lançaram a resposta, com o apoio da OMS e seus parceiros, valendo-se da experiência acumulada" no combate ao ebola no país e na República Democrática do Congo, de acordo com o comunicado da OMS.

- Reflexos na comunidade -

Durante a epidemia anterior, a relutância das comunidades guineenses em combater o ebola levou à morte de agentes do Estado destacados na Guiné.

Em 2021, graças em parte ao "envolvimento da comunidade, medidas eficazes de saúde pública e uso igualitário de vacinas, a Guiné conseguiu controlar a epidemia e prevenir a sua propagação através das fronteiras", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, no comunicado .

A OMS afirma ter ajudado a enviar cerca de 24.000 doses de vacinas contra o ebola e apoiado a vacinação de quase 11.000 pessoas de alto risco, incluindo mais de 2.800 profissionais de saúde da linha de frente.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?