Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres

(afp_tickers)

O secretário-geral da ONU, António Guterres, exigiu nesta quarta-feira que retirem o bloqueio israelense e egípcio imposto na Faixa de Gaza, local de "uma das crises humanitárias mais dramáticas" que já conheceu.

"Estou profundamente comovido por estar hoje em Gaza e ser, infelizmente, testemunha de uma das crises humanitárias mais dramáticas que jamais vi em inúmeros anos de trabalho humanitário nas Nações Unidas", declarou o responsável.

Guterres, que foi alto comissário da ONU para os Refugiados entre 2005 e 2015, fazia sua primeira visita ao território palestino desde que assumiu o cargo, em janeiro passado.

"É importante abrir as barreiras", conforme a resolução 1860 adotada em 2009 pelo Conselho de Segurança da ONU em pleno confronto armado entre o movimento islamita Hamas, que governa sozinho na Faixa de Gaza desde 2007, e Israel, afirmou Guterres.

O entorno de Guterres confirmou que ele tinha em mente os bloqueios impostos por Israel e Egito ao enclave, situado entre estes dois países e o Mediterrâneo.

Guterres também pediu à comunidade internacional para reforçar o apoio humanitário à Faixa de Gaza e indicou que ordenou o desbloqueio imediato de quatro milhões de dólares para as atividades da ONU no território.

- ONU, ator fundamental -

Desde 2007 ocorreram três guerras com Israel na Faixa de Gaza. Há 10 anos a região está submetida a um rigoroso bloqueio por este país, que defende que a medida serve para impedir que o Hamas - classificado como um grupo "terrorista" - execute ataques contra o seu território.

Além disso, o Egito mantém fechada de forma quase permanente a sua fronteira com a Faixa de Gaza desde 2013, após acusar o Hamas de apoiar a rebelião extremista do Sinai.

Os bloqueios asfixiam a economiza de Gaza. A taxa de desemprego alcança 42%, enquanto 80% da população se beneficia de uma ajuda, segundo o Banco Mundial (BM).

A ONU e as organizações internacionais são atores fundamentais na Faixa de Gaza, que sofre com uma escassez permanente de água e eletricidade.

A Faixa de Gaza poderia voltar a se tornar "inabitável" antes do fim de 2020, advertiu a ONU.

Guterres destacou que, à margem da emergência em curto prazo, "a solução para os problemas dos moradores de Gaza não é humanitária".

O responsável ressaltou a necessidade de que a Autoridade Palestina e o Hamas aproximem posições, pois suas diferenças apresentam, segundo ele, um obstáculo para a solução do conflito com Israel e a criação de um Estado palestino.

Em 2007 o Hamas expulsou da Faixa de Gaza a Autoridade Palestina, reconhecida internacionalmente.

A Cisjordânia, onde fica a sede da Autoridade, e a Faixa de Gaza "fazem parte da mesma Palestina", assegurou.

Guterres, que se reuniu com funcionários da Autoridade Palestina na terça-feira, não tinha previsto se encontrar com representantes do Hamas em virtude de uma política que restringe os contatos políticos com o movimento.

Ainda assim, o Hamas aplaudiu a sua visita "à maior prisão do mundo", como um "sinal importante" de que estão prestando atenção ao sofrimento do povo em Gaza.

Desde que chegou a Jerusalém, no domingo, Guterres destacou o seu "sonho" de ver um Estado palestino que coexista com Israel e criticou a colonização israelense, os confrontos e as incitações ao ódio, enquanto defendeu a imparcialidade da ONU.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP